CAMPO ABERTO – MUDANÇA DISTORCE DADOS DA EXPORTAÇÃO

A transição para um novo sistema de comércio exterior do governo federal está fazendo com que os dados sobre exportações do agronegócio fiquem temporariamente distorcidos. No ano passado, começou a ser implementado o Portal Único, com o objetivo de dar mais agilidade e eficiência no processo de vendas externas do Brasil.

Mas a iniciativa bem-intencionada acabou causando descompasso nas informações específicas dos embarques de cada Estado. É que o dado da unidade da federação (UF) passou a ser capturado diretamente da nota fiscal emitida por produtores e exportadores – e não mais no momento do embarque. E é justamente aí que está o problema. Porque entre o produto ser embarcado e a nota fiscal entrar no sistema, indicando o local de origem, há um lapso de tempo. E, nesse período, boa parte das exportações fica sem UF declarada.

– Neste mês, ainda tinha dados de janeiro sem unidade da federação declarada. Para analisar mercado, é uma informação fundamental – pondera Antônio da Luz, economista-chefe do Sistema da Federação da Agricultura do Estado (Farsul).

Por conta disso, a entidade descontinuou o trabalho mensal de avaliação das exportações do agronegócio, a fim de evitar interpretação equivocada da realidade. Em um dos meses analisados, houve um recuo expressivo e inexplicável de números. Luz conta que, ao abrir microdados, percebeu que havia uma "imensa quantidade de exportações com o Estado de origem não declarado".

Por meio da Coordenação Geral de Produção Estatística, o Ministério da Economia informou que ocorre "distorção momentânea causada por adaptação dos exportadores, operadores logísticos, secretarias da Fazenda e demais intervenientes do comércio exterior em relação a embarque antecipado". Acrescenta que a equipe do Portal Único tem trabalhado para ajudar a resolver os problemas de adaptação ao novo sistema "o mais breve possível". E observa que tão logo "as emissões e aceites de nota fiscal forem normalizadas, os dados serão reprocessados e as informações distorcidas serão corrigidas". A estimativa do órgão é de que a adaptação aos novos processos seja superada até o final do ano.

Mas esse delay é visto com preocupação pela Farsul, que enviou ofício sobre o tema ao ministério. Segundo o órgão, a resposta com explicações já foi feita, devendo chegar ao destinatário em breve.

gisele.loeblein@zerohora.com.br gauchazh.com/giseleloeblein 3218-4709

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora