CAMPO ABERTO | MORTANDADE MULTIPLICADA

A ocorrência de vários casos de mortandade de abelhas no Rio Grande do Sul preocupa apicultores do Estado. O caso mais recente foi registrado em Alegrete, na Fronteira Oeste, onde a mortandade atingiu cem colmeias. Como cada uma tem entre 80 mil e 90 mil abelhas, o número de insetos mortos pode chegar a 9 milhões.

O apicultor registrou ocorrência na Polícia Civil e acionou técnico da Secretaria da Agricultura do município, que esteve no local.

– Liguei para a secretaria estadual e foi acionada a inspetoria veterinária local. Vieram coletar amostras para fazer análise. E também será feita outra privada – conta o técnico agrícola Vilson Júnior de Araújo.

Há suspeita de que inseticida utilizado em lavouras de soja possa ter relação com as mortes. Segundo Aldo Machado dos Santos, da Câmara Setorial de Apicultura, da Secretaria da Agricultura, a hipótese investigada é a de que o produto esteja sendo aplicado fora do período indicado, que seria no tratamento de sementes.

– Tem de haver fiscalização e trabalho de conscientização para que os agricultores não continuem usando de forma errada esse produto – reivindica Santos.

Além de Alegrete, casos semelhantes foram registrados em pelo menos outras cinco cidades do Estado. Rafael Friedrich de Lima, chefe da Divisão de Insumos Agropecuários da Secretaria da Agricultura, diz que, por enquanto, os registros têm chegado de forma dispersa:

– Não existe nexo causal. Os produtores precisam procurar o órgão oficial.

gisele.loeblein@zerohora.com.br gauchazh.com/giseleloeblein 3218-4709

GISELE LOEBLEIN

Fonte: Zero Hora