CAMPO ABERTO | Joana Colussi – NATAL GORDO PARA QUEM DRIBLOU A CRISE

 

  •  

    No ano em que o país enfrentou uma das piores recessões econômicas da história, o Natal mais magro não será uma regra para todos os brasileiros. Produtores rurais e indústrias que ousaram, inovaram e apostaram na produção agropecuária chegam ao fim de 2016 com motivos para comemorar. Mesmo impactado pela retração do mercado interno, o agronegócio resistiu a onda de pessimismo e incertezas graças ao ímpeto empreendedor da produção primária. Às vesperas do Natal, a coluna conta histórias de agricultores e de cooperativas gaúchas que lembrarão de 2016 com saudosismo pelos bons resultados colhidos.

  • OUSADIA PARA CRESCER

    Os maiores investimentos da história da Cotrijal foram concretizados, curiosamente, em 2016. No início do ano, a cooperativa inaugurou uma unidade de beneficiamento de sementes, em Não-Me-Toque. Com capacidade para armazenar mais de 600 mil sacas de grãos, a estrutura recebeu investimento de R$ 48 milhões e gerou 180 novas vagas de emprego. Em junho, a cooperativa avançou mais: comprou as 14 unidades de recebimento de grãos da BSBios – uma das maiores produtoras de biodiesel do país. No ano marcado por investimentos, a Cotrijal pretende fechar com R$ 1,5 bilhão de faturamento, 11% acima do resultado registrado em 2015.

  • APOSTA EM AUMENTO DE ÁREA

    Mauro Stert, da Sementes Santa Rita, decidiu não dar ouvidos a onda de incertezas que marcou 2016 e apostou no aumento da produção de grãos para espantar a crise. A área plantada pelo produtor saltou de 2,8 mil para 3,6 mil hectares – por meio de arrendamento de 800 hectares irrigados e de parcerias com produtores. Se confirmada a safra recorde prevista pelo IBGE no próximo ano, Stert adianta que o plano é aumentar ainda mais a produção nas propriedades em Salto do Jacuí, Pejuçara, Fortaleza dos Valos e Boa Vista do Incra.

  • SOJA E, AGORA, MORANGUINHOS

    Na casa da família Hoffman, em Soledade, 2016 foi um ano para empreender. Os pequenos produtores, donos de uma propriedade de 30 hectares no interior do município, decidiram diversificar a produção e investir também no cultivo de morangos. A atenção, até então, era toda dedicada à soja. Agora, são 1,2 mil pés da fruta cultivados em estufa. Os cuidados ficam sob responsabilidade de Ritiele e da mãe, Vanderli, enquanto o pai, Romildo, e o marido, Gilmar, tomam conta do plantio dos grãos. A aposta deu certo e o aumento da renda familiar permitiu que a jovem, de 26 anos, permanecesse perto dos pais e não migrasse para cidade em busca de emprego.

  • MAIS LEITE NO MERCADO

    Ao ampliar a fábrica de leite em pó em Cruz Alta, com investimento de R$ 120 milhões, a Cooperativa Central Gaúcha Ltda (CCGL) pretende dobrar a capacidade de processamento em três anos – de 1 milhão de litros diários para 2,2 milhões de litros. Desde junho, quando inaugurou a nova estrutura, a cooperativa aumentou em 23% a captação de leite – por meio de novos produtores e também pelo incremento da produtividade nas fazendas. Em seis meses, foram criadas 150 novas vagas de trabalho. O incremento de produção resultou em 20% de aumento no faturamento de 2016, na comparação com o ano passado.

  • PRODUÇÃO EM CONDOMÍNIOS

    Inspirada em modelo adotado na Galícia, na Espanha, a Cooperativa dos Suinocultores de Encantado (Cosuel) inaugurou neste ano condomínios leiteiros. Pioneiro no Brasil, o programa da Dália Alimentos reúne pequenos produtores em associações. A produção é concentrada em estruturas com ordenhas robotizadas, reduzindo a mão de obra e aumentando a produtividade. Os primeiros condomínios foram instalados em Nova Bréscia, Arroio do Meio e Roca Sales. Ainda neste ano, a cooperativa começou a implantar um mega complexo avícola. O investimento de R$ 95 milhões engloba fábrica de ração e de farinhas e frigorífico de aves, que começou a ser construído.

    Fonte : Zero Hora

Compartilhe!