CAMPO ABERTO | Joana Colussi

 

  • COMPASSO DE ESPERA NA MARFRIG DE ALEGRETE

    Aguardada com expectativa por pecuaristas da Fronteira Oeste, a reunião marcada para hoje com executivos da Marfrig e representantes do governo do Estado foi adiada para a próxima semana. O encontro, durante a 72ª Exposição Agropecuária de Alegrete, foi remarcado em razão de uma missão da União Europeia no frigorífico da empresa em Bagé.
    – Como é uma questão que interessa a todos, pois envolve exportações da nossa carne, achamos por bem adiar a reunião e garantir a presença de todos – disse Pedro Piffero, presidente do Sindicato Rural de Alegrete.
    Com 680 funcionários, a planta da Marfrig em Alegrete segue operando normalmente – com uma média de 500 abates por dia. Em agosto, a empresa chegou a anunciar o fechamento da unidade, com alegação de escassez de gado no Rio Grande do Sul (veja matéria sobre o assunto no caderno Campo e Lavoura, que a partir de hoje passa a circular às terças-feiras em Zero Hora).
    Depois de apelo do governo estadual, e promessa de negociação, a Marfrig acabou recuando e dando sobrevida a um dos maiores frigoríficos do RS.
    – Tivemos avanços grandes desde então, especialmente em questões tributárias – garante Claudio Fioreze, secretário estadual da Agricultura.
    Segundo o secretário, entre os 16 itens solicitados pela Marfrig para manter a planta em Alegrete, boa parte já está encaminhada – pelo menos no que compete a substituições tributárias, crédito presumido e linhas de financiamento específicas.
    Há reivindicações, porém, que demandarão tempo maior, como a implantação da rastreabilidade bovina e mudanças na legislação ambiental. Um dos pedidos é para flexibilização das regras para criação de animais em confinamentos. Dispostos a colaborar para manter o frigorífico em Alegrete, pecuaristas da região também formataram sugestões. Uma visa a reduzir a reclamação das indústrias de falta de matéria-prima no Estado:
    – Iremos solicitar pagamento à vista aos produtores e remuneração não apenas pelo peso vivo, mas por rendimento de carcaça – acrescenta o presidente do Sindicato Rural de Alegrete.
    Prêmio para inovações rurais
    Como foco na inovação, especialmente na gestão ou na matéria-prima, a segunda edição do Prêmio Vencedores do Agronegócio, da Federasul, teve os ganhadores anunciados ontem. Ao analisar o impacto da queda na cotação da soja, o presidente da entidade, Ricardo Russowsky, usou o cenário para exemplificar o objetivo do prêmio:
    – Nossa intenção é justamente estimular quem agrega valor à matéria-prima por meio da industrialização. No lugar de exportar o grão (que vale hoje cerca de 30% menos do que em igual período de 2013), deveríamos estar fabricando produtos à base de soja.
    Ao lado, os premiados com o troféu Três Porteiras, que será entregue no dia 29.

  • OS VENCEDORES

    -Insumos: Simbiose Ind. e Comércio de Fertilizantes e Insumos Microbiológicos
    -Máquinas e equipamentos: Agrimec Agro Industrial e Mecânica
    -Produção agropecuária: Associação dos Produtores Rurais dos Campos de Cima da Serra
    -Agroindústria: Relat – Laticínios Renner
    -Distribuição: LF Multimodalidade em Operações de Logística
    -Serviços de apoio ao agronegócio: Associação dos Arrozeiros de Alegrete
    -Destaque especial na categoria apoio ao agronegócio: Associação do Comércio, da Indústria e de Serviços de Rolante
    -Sustentabilidade social, econômica e ambiental: Associação de Apicultores Papa Mel
    -Distinções especiais: Banco do Brasil e Walter Lídio Nunes, presidente da Celulose Riograndense

  • RESPINGOS FORA DO RS

    A operação Leite Compen$ado, deflagrada em seis etapas no Rio Grande do Sul, respingará novamente em outro Estado brasileiro. Depois da fraude descoberta no oeste de Santa Catarina, em agosto deste ano, nova operação será realizada nos próximos dias fora do território gaúcho.
    – Daremos apoio à operação cedendo técnicos para análise e interpretação de materiais a serem apreendidos – adianta o promotor de Justiça Mauro Rockenbach, à frente das investigações no Estado desde o ano passado.
    Sem relevar detalhes, Rockenbach adianta apenas que a investigação tem ligações com fraudadores do Rio Grande do Sul. Há dois meses, o Ministério Público gaúcho atuou em conjunto nas operações Leite Adulterado 1 e 2, deflagradas na região catarinense de Chapecó.
    Sobre as investigações no Estado, o promotor adiantou que serão ainda cumpridos mandados de busca e apreensão ao longo do mês. Até agora, sete pessoas permanecem presas, cinco em Ibirubá, no Norte, e duas em Teutônia, no Vale do Taquari.
    As importações de soja pela China entre janeiro e setembro totalizaram
    52,7
    milhões
    de toneladas, segundo dados da Administração Geral das Alfândegas do país. O resultado é 15,3% superior ao mesmo período de 2013.
    Disputa judicial na CNA
    Com esperança de reverter decisão judicial, por meio de mandado de segurança, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) manteve a convocação dos representantes estaduais para eleição hoje, às 9h. Presidente da Federação da Agricultura do Estado (Farsul), Carlos Sperotto viajou para Brasília ontem.
    – Estaremos presentes para acompanhar o resultado judicial e as consequências dessa disputa – disse.
    Independentemente do resultado, Sperotto avalia que uma disputa por via judicial dessa forma não é benéfica para a imagem da entidade.
    A liminar impedindo o pleito foi concedida a pedido da Federação da Agricultura do Paraná (Faep). A entidade paranaense sustenta a existência de vícios na condução do processo, que teria favorecido os candidatos da chapa única, encabeçada pela senadora Kátia Abreu, presidente licenciada da CNA, e pelo presidente interino, João Martins da Silva Júnior.
    Se a decisão for mantida, audiência entre as partes deve ocorrer no dia 21.
    Colaborou
    Thiago Copetti

Fonte: Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *