CAMPO ABERTO – JBS TENTOU FAZER PRESSÃO NO MERCADO

Foi um movimento rápido e, oficialmente, sequer comentado. Mas logo após a prisão dos irmãos Batista, na última semana, a JBS, maior processadora de proteína animal do mundo, paralisou a atividade de alguns frigoríficos bovinos. Fontes ouvidas pela coluna dizem que ontem o abate havia voltado à normalidade. A medida seria uma espécie de retaliação.

– A empresa faz isso propositalmente, para depreciar o preço do produto. Agem no mercado de forma predadora – disparou Antonio Alvarenga Neto, presidente da Sociedade Nacional de Agricultura (SNA), no evento Brasil de Ideias, realizado pela Revista Voto, na Capital.

Procurada, a JBS afirmou, por meio da assessoria, que não comentaria o assunto. O poder de fogo da companhia está justamente na sua representatividade – 25% do processamento de carne bovina no país e 52% das exportações desse tipo de carne. No Mato Grosso, a dependência é ainda maior: 49% do gado tem unidades da empresa como destino.

A definição do nome de José Batista Sobrinho, conhecido como Zé Mineiro, o patriarca da família, para o comando da empresa, e a intervenção de outros acionistas teriam feito, no entanto, os negócios – e os abates – retomarem o rumo da normalidade.

Logo após a delação premiada dos irmãos Batista, em maio, foram os produtores que ficaram receosos em vender animais para a JBS. Pesavam a indefinição quanto ao futuro da empresa e a possibilidade de os pagamentos não serem feitos.

Para Maurício Velloso, presidente da Comissão de Pecuária de Corte da Federação da Agricultura de Goiás (Faeg), enquanto "houver um Batista na direção, a empresa continuará sofrendo uma crise de credibilidade":

– Apesar de o Zé Mineiro ser merecedor de todo o respeito, ele não possui a expertise necessária para tocar uma empresa, um negócio do porte e da abrangência que tem a JBS.

Para o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal, Francisco Turra, é preciso, no entanto, separar as pessoas da companhia para mais do que garantir a produção, preservar os mais de 120 mil empregos que a empresa gera no Brasil.

gisele.loeblein@zerohora.com.br

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *