CAMPO ABERTO – GOVERNO QUER MUDAR GESTÃO DO PARQUE DA EXPOINTER

É antigo o desejo de dar vida útil durante o ano inteiro ao Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, onde é realizada a Expointer (a edição de 2018 será lançada hoje). Em 2015, assinatura de contrato de parceria-público privada entre governo do Estado e Bolognesi criou expectativa de que seria possível transformar o sonho em realidade. Havia prazos para a execução das obras do projeto. Passados três anos, o acordo deverá ser rompido. É o que afirma o vice-governador José Paulo Cairoli.

– Estamos vendo o parque como um modelo novo de gestão. Nossa ideia é desfazer o contrato – disse, sem detalhar.

O que se comenta nos bastidores é que a proposta do Piratini seria de privatizar algumas áreas dentro do Assis Brasil.

No ano passado, no lançamento da Expointer e, posteriormente, em entrevista à coluna, o governador José Ivo Sartori afirmou que o rompimento era estudado. À época, liminar obtida pelo Ministério Público determinava a suspensão da implantação do condomínio Residencial Ecoville (ao lado do parque) e de qualquer obra na região, sob o argumento de que a área é sujeita a inundação.

Pela parceria firmada, a tarefa de erguer dique para conter a água do Arroio Esteio, no entorno do parque, ficaria com a empresa – com conclusão em até um ano após obter a licença ambiental.

A construtora teria ainda 10 anos para realizar empreendimentos que incluem área comercial, com direito a agroshopping e hotel (ao lado), centro educacional e área de eventos, em espaço de 23,7 hectares, com investimento inicial de R$ 16,19 milhões.

– Trataremos desse assunto depois da Expointer. A prioridade agora é a feira – diz o secretário da Agricultura, Odacir Klein.

O certo é que, em confirmado o rompimento, o projeto volta à estaca zero. E o sonho de movimentar o parque 365 dias ao ano, fica mais distante.

gisele.loeblein@zerohora.com.br gauchazh.com/giseleloeblein 3218-4709

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora

Compartilhe!