CAMPO ABERTO | Gisele Loeblein MAIS UM ANO DE PRAZO À COTRIJUI

 

  •  

    À sombra de uma dívida bilionária, uma das mais importantes cooperativas do Estado, a Cotrijui, decidia, há um ano, em tumultuada assembleia, pelo mecanismo de liquidação voluntária com a continuidade de negócios.
    O prazo que congela execuções de cobrança e permite a busca da negociação junto a credores acaba de ser estendido por mais um ano, dentro do que está previsto na lei.
    – Uma assembleia aprovou a prorrogação – explica Claudio Lamachia, advogado da cooperativa.
    Na condição de liquidante, Vanderlei Fragoso refuta o termo liquidação, que considera “arcaico”, como a legislação das cooperativas para situações como essa, e usa a jurisprudência para referir-se ao processo como moratória.
    Levantamento indicou que a dívida acumulada chegava a R$ 1,3 bilhão. Sem detalhar quanto foi abatido até o momento, o liquidante afirma que “na medida do possível, compromissos financeiros do passado estão sendo resgatados”.
    – O endividamento da cooperativa não aumentou no período – acrescenta.
    Na lista de ações, Fragoso enumera ainda o corte em despesas operacionais, reduzidas em R$ 100 milhões.
    Com cerca de 6 mil associados atuantes, a Cotrijui, com sede em Ijuí, tem atividades diversificadas – armazenagem de grãos, frigorífico, indústria de arroz, ração – e deve fechar o ano com faturamento de R$ 500 milhões.
    A capacidade de armazenagem é de 1 milhão de toneladas. Em média, 5 milhões de sacas são depositadas por ano.
    No início deste ano, o vaivém de decisões judiciais acerca da ata da reunião em que se votou pela liquidação teve impacto sobre o volume armazenado. O grão é depositado na condição de armazém geral, que garante ao produtor a propriedade.
    – A recuperação é possível e já está ocorrendo dia a dia. Mas a gente sabe que é lenta, gradual – entende Fragoso.

  • PARA NÃODEIXAR FURO

    Deve ficar para a próxima semana a apresentação do projeto de lei do Executivo que regulamenta venda e transporte de leite no Estado. O texto com os ajustes sugeridos por entidades do setor seria encaminhado ontem à Secretaria da Agricultura. O setor jurídico da pasta dará o aval final para o documento.
    – Pretendo encaminhar o projeto ainda nesta quarta-feira para a Casa Civil – afirma o secretário da Agricultura, Ernani Polo.
    Como as propostas devem ser protocoladas até quinta-feira na Assembleia, Polo estima que a apresentação do Executivo fique para o início da próxima semana. A ideia é encaminhar com regime de urgência. Ou seja, em tese, o texto poderia ser votado em 2015.
    A regulamentação do transportador e a possibilidade da aplicação de multas são vistas como medidas fundamentais para colocar um ponto final nas fraudes que vêm sendo detectadas há dois anos nas operações do Ministério Público Estadual. Enquanto o Executivo não apresenta a proposta, segue a estratégia de manter em banho-maria o projeto de lei do Translácteos, que está na Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia. Ontem, o relator, deputado Jorge Pozzobom, pediu para reexaminar o texto.
    Pelo acerto feito entre entidades e Secretaria da Agricultura, a legislação ficará concentrada em texto único, na proposta do Executivo.

  • DATA E HORA PARA SAIR

    O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ainda aguardava, ontem, a avaliação de recurso, mas promete acatar o prazo determinado pela Brigada Militar para saída de propriedade em São Lourenço do Sul, que termina hoje às 15h. A Justiça determinou a reintegração de posse da área (foto), onde estão 400 famílias.
    Ontem, houve reunião entre BM, representantes da Secretaria do Desenvolvimento Rural, do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), e o deputado estadual Edegar Pretto (PT).
    – Vamos cumprir a decisão judicial. Tivemos avanços na negociação, por isso vamos sair – afirma João Onofre Sziminski, da diretoria do MST.
    Conforme o dirigente, o proprietário da área será notificado para que o Incra faça uma vistoria. Os sem-terra também saíram de outras duas propriedades que haviam sido invadidas, em Santana do Livramento e Pelotas.
    Na próxima semana, integrantes do movimento devem sentar-se à mesa para nova rodada de negociação.

  • COM OUSEM DIQUE

    Parte da contrapartida da Bolognesi dentro da parceria público-privada firmada com o governo do Estado, a construção de contenção para a água no parque Assis Brasil poderá ficar para depois da Expointer de 2016.
    A Secretaria do Ambiente aguarda levantamento topográfico e projeto para o local, a serem entregues pela empresa. A titular da pasta, Ana Pellini, garante que o processo terá prioridade:
    – Quando chegar o estudo, temos de ver alternativas viáveis. Talvez o dique não seja a melhor solução. Pode ou não estar pronto para a próxima Expointer.
    Conforme José Simeão Soeiro, diretor de incorporações da Bolognesi, a ideia é concluir os estudos preliminares até “meados de dezembro”, o que depende do tempo – a chuva inviabiliza o trabalho dos técnicos.
    O prazo para a execução é um ano, a contar da liberação da licença ambiental.
    A projeção inicial da Secretaria da Agricultura era de que a estrutura estivesse pronta para a Expointer do próximo ano.

    _____
    DIANTE da proposta em estudo pelo governo federal para alterar as regras da previdência rural, o deputado Heitor Schuch (PSB) entende que há necessidade das entidades do setor se mobilizarem. Uma das mudanças seria na idade necessária para a aposentadoria, hoje 55 anos para as mulheres e 60 anos para os homens.

  • NO RADAR

    CHEGOU a 807 o número de empreendimentos incluídos no Programa Estadual de Agroindústria Familiar. Essas empresas ficam agora aptas a usar o selo Sabor Gaúcho. Há outras 1,7 mil já cadastradas, à espera da legalização sanitária e ambiental.

    _____
    ABRE HOJE O PRAZO PARA RESERVA DE SEMENTES PARA O CICLO 2015-2016 DO PROGRAMA TROCA-TROCA DE MILHO E SORGO, DA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL E COOPERATIVISMO. ENTIDADES HABILITADAS TÊM ATÉ O DIA 18 DESTE MÊS PARA FAZER O PEDIDO PELO SITE FEAPER.RS.GOV.BR.

  • Fonte : Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *