Campo aberto – Gisele Loeblein: Brasil tenta retomar venda de arroz à Nigéria

Missão comercial está no país africano, que era um dos principais destinos dos embarques brasileiros antes de sobretaxa

Gisele Loeblein: Brasil tenta retomar venda de arroz à Nigéria Paulo Lanzetta/Embrapa,Divulgação

Mercado é importante para o Rio Grande do Sul, responsável por 65% da produção nacional do cerealFoto: Paulo Lanzetta / Embrapa,Divulgação

Está em fogo médio o acordo que pode fazer o arroz brasileiro voltar à mesa da população da Nigéria. Uma missão comercial desembarcou nesta semana no país africano, tentando destravar a porta de acesso ao mercado, emperrada desde 2013. Naquele ano, com o argumento de desenvolver a produção doméstica, o governo local sobretaxou em 110% a importação do cereal. A tarifa, na prática, inviabilizou a venda para esse que era um dos principais compradores do Brasil.

Diretor comercial do Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga), Tiago Barata representa o governo do Estado na missão que está na Nigéria — o Rio Grande do Sul concentra 65% da produção brasileira do cereal — e está otimista com relação ao resultado das negociações:

— Vim com a demanda específica de buscar a retomada desse mercado. Dificilmente voltaremos já com uma resposta definitiva, mas, sim, com uma posição mais clara sobre essa questão.

Leia mais: Lavouras encolhidas pelos custos elevados

Hoje, o poder de convencimento será testado durante jantar organizado pelo embaixador brasileiro na capital Abuja.

De lá, o grupo parte para Lagos, considerada o centro de negócios do país africano. O canal para um acordo foi aberto no mês passado, quando o embaixador nigeriano no Brasil, Adamu Azimeyeh Emozozo, veio ao Estado e sinalizou interesse não apenas em um acordo comercial, mas também na transferência de tecnologia.

— A sobretaxa não estimulou a produção local e o contrabando de arroz aumentou na Nigéria. Foi uma das críticas que fizemos ao embaixador. Essa medida contribuiu para nos deixar mais afastados dos nigerianos na questão de transferência de tecnologia — afirma Henrique Dornelles, presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do Estado (Federarroz).

Conforme o dirigente, a Nigéria chegou a representar quase um quarto das nossas exportações. Com a barreira tarifária, os negócios baixaram ao nível zero.

Essa missão que está na África agora começou a ser costurada ainda nos corredores da Expodireto, em Não-Me-Toque. Delegação das mais representativas na feira — neste ano foi a maior—, a Nigéria tem interesse, inclusive, em "importar" produtores gaúchos. Para que a parceria fique no ponto, é imprescindível, no entanto, que a Nigéria abra caminho para o produto brasileiro em seu território.

Por: Gisele Loeblein

Fonte : Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *