CAMPO ABERTO | Gisele Loeblein

 

  • É preciso mais do que crédito para investir

    Às vésperas do anúncio do novo Plano Safra, o governo federal não esconde que a armazenagem seguirá como uma prioridade na política de crédito. Neri Geller, ministro da Agricultura, afirmou que os recursos para o segmento devem ser ampliados. A justificativa vem dos números. O déficit nacional é estimado em até 40 milhões de toneladas.
    E ainda que tenha uma condição melhor em relação a outras regiões do país, o Rio Grande do Sul também tem sua cota de defasagem, como mostra reportagem neste caderno.
    Responsável por 70% dos financiamentos do Plano Safra no Estado, o Banco do Brasil emprestou R$ 70 milhões para projetos de armazenagem do segundo semestre do ano passado até março deste ano, segundo o superintendente do BB no Rio Grande do Sul, Tarcísio Hübner.
    – O potencial é muito maior – reconhece.
    Tanto que o banco estima emprestar R$ 100 milhões nos próximos meses – talvez como efeito do resultado da colheita farta dos produtores gaúchos no ciclo de verão.
    Mas ao contrário dos investimentos em máquinas e equipamentos, os projetos para silos exigem mais preparação e planejamento. E dependem de outros fatores para serem concretizados. Como o licenciamento ambiental.
    No Estado, a Fepam contabiliza 442 processos – são 145 em tramitação e 297 vigentes.
    – Escolhida a localização correta, não são difíceis de licenciar – explica o presidente da Fepam, Nilvo Silva.
    Para estruturas de pequeno porte – com até 2 mil metros quadrados de área útil – criou-se o programa RS Mais Grãos, mas a Secretaria da Agricultura ainda não tem um balanço do número de projetos encaminhados.
    A estrutura de fornecimento de energia elétrica é outro fator a ser considerado, sem a qual as instalações também se tornam inviáveis. O fato é que a armazenagem dá ao produtor a chave do cofre. Transfere a ele o poder de decisão sobre quando e para quem vender o grão.

  • EFEITO MÉXICO

    Termina nesta semana a vistoria mexicana em frigoríficos bovinos e suínos do país. No ano passado, ação semelhante ocorreu em unidades de aves e antecedeu a abertura do mercado o Brasil.
    O espaço para o frango brasileiro veio com cota de 300 mil toneladas. Na prática, os embarques ficaram abaixo do esperado – 10% das 15 mil toneladas estimadas.
    Segundo o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Francisco Turra, a expectativa é de avanço nas exportações. Só nos quatro primeiros meses deste ano, o volume já chegava a 5 mil toneladas.
    Precisamos abrir muitos mercados, para não ficar na mão de nenhum.
    Francisco Turra
    Presidente da ABPA, que busca ampliar os destinos de exportações

  • FERTILIDADE A TODA PROVA

    A aptidão reprodutiva de touros brangus e braford tem sido colocada à prova. Trabalho coordenado pelo Núcleo de Estudos em Sistemas de Produção de Bovinos de Corte e Cadeia Produtiva (Nespro) da UFRGS é desenvolvido há três anos e avalia se diferenças de temperatura impactam na fertilidade dos reprodutores.
    – As experiências mostram que a diferença da qualidade do sêmen nas estações mais quentes não é suficiente para alterar a fertilidade – diz o veterinário Silvio Menegassi.
    Os testes são realizados em Uruguaiana (cabanhas Nova Aurora e Anjo da Guarda), São Gabriel (cabanha JMT, na foto) e Eldorado do Sul (estação experimental da UFRGS). Em Londrina (PR), há avaliações na Fazenda Boa Viagem. Em outubro, entra a 3 Marias, da Pitangueira, em Rondonópolis (MT). Também estão no projeto a Associação Brasileira de Hereford e Braford, a Universidade do Norte do Paraná, a Univerisdade Federal de Minas e a Universidade Federal de Pelotas.

  • PARA O LEITE NÃO ESFRIAR

    A comissão de representação externa do leite da Assembleia Legislativa tem duas reuniões marcadas para esta segunda-feira. O primeiro encontro é com o superintendente do Ministério da Agricultura, Francisco Signor. O segundo, com o promotor Mauro Rockenbach, responsável pelas operações que detectaram fraudes no leite.
    Nesta semana, o Ministério Público deve apresentar denúncia contra os empresários presos na quinta fase da Operação Leite Compen$ado.
    Farroupilha entra hoje no roteiro itinerante para recebimento de embalagens vazias de defensivos agrícolas. A ação vai até sexta-feira. O material entregue pelos produtores será encaminhado para a destinação final, reciclagem ou incineração. Informações pelos telefones (54) 3261-6986 ou (54) 3261-6987.

Fonte: Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *