CAMPO ABERTO | Gisele Loeblein

 

  • COMPARAR O LEITE COM O QUE HÁ DE MELHOR

    Quem procura, acha. A lógica tem servido como argumento frente à descoberta de novas fraudes do leite. Sim, é provável que em outros rincões do Brasil, onde a indústria de leite não é tão fiscalizada como aqui, existam situações muito piores do que as verificadas nas ações do Ministério Público Estadual (MPE) no Rio Grande do Sul.
    Mas a fiscalização não pode ser encarada como problema, pelo contrário. Tem de ser intepretada como ferramenta cujo objetivo é garantir a segurança do produto ao consumidor. Quem faz o dever de casa não tem com que se preocupar. Nosso comparativo tem de ser com o que há de melhor, e com não o que possivelmente exista de pior.
    Já se sabe que novas operações virão. E os efeitos das que já foram realizadas seguem aparecendo. Ontem, o MPE recebeu comunicado do Ministério da Agricultura sobre pedido de recall de três lotes de leite UHT da Pavlat (13F4, 12E2, 10E4) e de três derivados da Hollmann (ricota fresca lotes 112,105, ricota fresca temperada, lote 119, e nata, lote 126). A razão é a existência de laudos fora do padrão microbiológico. Ou seja, fora do permitido para o consumo, mas não decorrente de fraude. Pode ser problema causado por falhas na armazenagem, por exemplo.
    A Pavlat informou que os produtos em questão foram processados no dia 6 de maio – dois dias antes da operação – e não chegaram a ir para o mercado. A unidade saiu na terça-feira do regime especial de fiscalização do SIF, “após mais de 400 laudos de análise onde não foram encontradas irregularidades no leite recebido e processado”, diz a nota.
    Os advogados da Hollmann afirmaram que a empresa não foi oficialmente notificada do recall e que também saiu – no último dia 29 – do regime especial de fiscalização a que foi submetida após a operação.

  • FALTA SÓ A VERBA PARA SAIR DO PAPEL

    Verba de R$ 1,5 milhão. É o que falta para tirar do papel um projeto da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) que permitirá reforço considerável na análise de leite. A proposta de professores da universidade é para um laboratório capaz de processar 400 amostras do alimento por hora, atestando qualidade e classificando o produto conforme os nutrientes e substâncias presentes.
    Entram na conta dos custos equipamentos e pequenas reformas no prédio do Centro de Ciências Rurais. Com a estrututa atual, é possível fazer apenas parte dessas análises, e em escala muito pequena. Com o novo laboratório, seria possível receber amostras enviadas pelos produtores, que teriam o resultado da análise em poucos minutos, por celular.

  • DO JEITO QUE ERA

    Uma das mudanças aprovadas na nova versão da Lei Kiss era aguardada com expectativa pelos produtores do Estado. A emenda 13 altera o artigo 7° e faz com que, nas propriedades rurais, silos e outras unidades usadas para “armazenagem de grãos e assemelhados” não estejam submetidos à tabela de classificação estabelecida anteriormente.
    Na prática, elimina a necessidade de um plano completo de prevenção e proteção contra incêndio no caso dessas estruturas.
    – Já existe uma série de exigências para garantir a segurança determinada pela norma regulamentadora 33 – explica o deputado estadual Frederico Antunes, autor da emenda.
    A dificuldade em ter de arcar com uma segunda legislação era motivo de preocupação, sobretudo no caso de pequenas propriedades e vinha mobilizando as entidades do setor.
    – Além disso, essa medida iria de encontro ao próprio Plano Safra, que estimula o produtor a criar novas unidades de armazenagem – afirma Luis Fernando Cavalheiro Pires, assessor técnico da Federação da Agricultura do Estado (Farsul).

  • A PREOCUPAÇÃO em manter longe do país doenças como a diarreia suína epidêmica reúne hoje especialistas na Associação Comercial e Industrial de Lajeado. O encontro Biossegurança na Copa trata dos cuidados necessários para o período.

  • EQUIPE do Ministério da Justiça vem ao Estado na próxima semana para tratar das demarcações de terra. O local escolhido é Mato Preto. Ainda não se sabe o dia, mas o ministro não estará no grupo.

Fonte: Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *