CAMPO ABERTO | Efeitos retroativos do tempo

Pequenos problemas nas folhosas mais sensíveis à combinação de excesso de calor e falta de chuva começam a ser relatados na Centrais de Abastecimento do Estado (Ceasa) de Porto Alegre.

Por enquanto, isso ainda não impactou o preço. Mas se a atual condição de tempo continuar, isso poderá ocorrer.

Aílton dos Santos Machado, presidente da Ceasa, explica que os produtos que registram as maiores altas refletem outra condição adversa: a de excesso de chuva, ocorrido durante o período da primavera.

Foi o que fez a ameixa, por exemplo, registrar aumento de 93% na comparação dos dois primeiros meses do verão atual com o passado. A melancia também acumulou alta de 30%.

Entre as hortaliças, o principal problema é registrado na produção de repolho. A temperatura elevada de agora atrapalha a recuperação das perdas decorrentes do excesso de umidade.

– O calor atual está dificultando a formação da cabeça do repolho – explica o presidente da Ceasa.

NO RADAR

A situação de emergência em municípios gaúchos em razão da estiagem será tema de reunião amanhã na Famurs, em Porto Alegre. Além de representantes da federação, participam integrantes da Secretaria da Agricultura, da Defesa Civil e de entidades agrícolas. Presidente da Frente Parlamentar da Agricultura Familiar, Heitor Schuch (PSB) estará presente. Ele já tratou do tema em encontro com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina.

gisele.loeblein@zerohora.com.br 3218-4709

GISELE LOEBLEIN

Fonte: Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *