CAMPO ABERTO – Contribuição de grãos e carnes às cooperativas

A valorização de grãos e de carnes nos últimos quatro meses do ano também será fundamental para o faturamento das cooperativas agropecuárias do Rio Grande do Sul. A projeção da federação que as representa, a Fecoagro-RS, é de que o resultado de 2019 seja de cerca de R$ 25 bilhões. A cifra representa estabilidade em relação a 2018. Mas o cenário positivo para a proteína animal, neste momento, poderá até levar a crescimento. Seria uma virada do desempenho, que até setembro vinha registrando recuo entre 6% e 7%.

– Nos últimos três meses, houve valorização desses produtos. Vivemos excelente momento que nos remete a excelentes perspectivas para 2020 – avalia Paulo Pires, presidente da Fecoagro-RS.

Levantamento do economista da entidade, Tarcísio Minetto, mostra que nos últimos 12 meses o valor da soja, em reais, ficou 8,89% maior. No milho, a alta é de 12,39%. E no trigo, de 8%.

– Aumentou a perspectiva de rentabilidade de milho e soja em relação ao início do ciclo (veja abaixo) – observa o economista.

Custos com fertilizantes registraram queda mais para o final do ano, favorecendo quem deixou para comprar mais tarde. Na comparação com o ano passado, no entanto, os gastos com as lavouras ainda são 5% superiores.

Para 2020, a projeção é de que os preços dos produtos se mantenham positivos, alimentando estimativa de que as cooperativas agropecuárias cresçam até 7%. E para este ano, mesmo a manutenção dos números é considerada positiva. É que a base de comparação é elevada. Em 2018, as cooperativas do setor cresceram na casa de dois dígitos: 25,23%. Performance embalada pelo volume expressivo de soja vendido.

– Até o ano passado, grãos tinham crescimento maior do que as proteínas. Agora, isso poderá se inverter – observa o presidente da Fecoagro.

As previsões otimistas para o próximo ano dependem, claro, de fatores como o clima. Desde 2012 o Rio Grande do Sul não registra grande frustração de safra na produção de verão. Há ainda a variação cambial, que tem ajudado a valorizar os grãos em reais. E os custos.

No radar, também, a concretização de acordo entre China e Estados Unidos, com impactos para o agro brasileiro.

NO RADAR

Buscar espaço para a produção brasileira de aves é um dos objetivos da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, em viagem pela Índia. Ela estará em missão presidencial ao país em janeiro de 2020. Os indianos consumiram 5 milhões de toneladas de carne neste ano, volume que é maior do que todos os embarques de frango do Brasil.

R$ 617 bilhões

é a estimativa do valor bruto da produção agropecuária neste ano, segundo o Ministério da Agricultura. A quantia representa crescimento de 2,1% sobre o ano de 2018. A nova projeção igual o valor deste ano ao de 2017, o maior já registrado. O resultado foi puxado pela pecuária, que cresceu 7,8%.

gisele.loeblein@zerohora.com.br 3218-4709

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *