CAMPO ABERTO – COMEMORAÇÃO DOBLE CHAPA

O topo do pódio do Freio de Ouro FICCC, considerada a copa do mundo do cavalo crioulo, foi dividido entre conjuntos brasileiros e uruguaios em disputa encerrada ontem, no parque Assis Brasil, em Esteio. O título dos machos foi para o ginete Gabriel Marty e o cavalo Colibri Matrero, da Cabanha La Pacifica, de Paysandu (UR). Entre as fêmeas, o primeiro lugar ficou com o ginete Cláudio Fagundes, que montou a égua AM Gaita, da Cabanha Sol Brilhante, de Frederico Westphalen.

O ginete brasileiro Gabriel Marty, 35 anos, liderou toda a prova com o cavalo uruguaio – o qual treinou por um ano. Na comemoração do título, confirmado na última paleteada, colocou a bandeira do país vizinho sob o animal (foto acima).

– Esse cavalo é impressionante. A conquista é para todas as cabanhas uruguaias que investem na raça – disse o ginete campeão, que treina cavalos no Uruguai e na Argentina ao lado do irmão Marcelo Marty.

Entre as fêmeas, a égua AM Gaita assumiu a liderança nas últimas duas provas (foto ao lado), montada pelo ginete Cláudio Fagundes, 40 anos. O animal foi Bocal de Ouro em 2017 e 5º lugar no Freio do ano passado.

– O título é resultado de muito trabalho e dedicação – disse o ginete, que ganhou o primeiro Freio de Ouro FICCC, após ter conquistado o Freio de Ouro em 2008 e o de Prata no ano passado.

Em seis dias de provas, incluindo outras quatro modalidades da Exposição da Federação Internacional de Criadores de Cavalos Crioulos (ExpoFICCC), cerca de 30 mil pessoas passaram pelo evento – que retornou ao Brasil após nove anos.

joana.colussi@zerohora.com.br

JOANA COLUSSI

Fonte : Zero Hora