CAMPO ABERTO – COM DATA MARCADA E ESPAÇO ÀS MÁQUINAS

Mal abriram os portões e os organizadores da 42ª Expoleite e 15ª Fenasul já estão de olho na edição de 2020. A ideia é concluir os eventos desse ano já sabendo quando serão realizados no ano que vem. O agendamento com tamanha antecedência, preconizado na cerimônia de abertura, ontem, no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, tem como principal objetivo evitar atropelos.

É que a demora nas definições impede não só que o público geral se organize – colocando as feiras no calendário – , como também provoca correria na captação de recursos. Neste ano, os patrocínios obtidos somam R$ 100 mil, quantia que fica aquém do custo estimado para a organização.

– Não podemos sair dessa feira sem a data da próxima. Por que a Expointer é grande, além da questão da qualidade do evento? Porque todos sabem quando é realizada – afirmou Marcos Tang, presidente da Associação dos Criadores de Gado Holandês (Gadolando), uma das organizadoras.

A ideia é ter um período específico estabelecido no ano. Tang entende que o ideal seria a partir do terceiro final de semana de maio. Mas o assunto será debatido em reunião marcada para hoje com todas as entidades que vêm se integrando às feiras, para buscar o consenso.

– Temos o desafio de fortalecer a Expoleite e a Fenasul – completou o secretário da Agricultura, Covatti Filho.

Outra proposta é estimular a participação da indústria de máquinas e implementos agrícolas nos eventos, que ao longo dos anos ficou mais tímida.

– Somos parceiros, mas é preciso que a feira tenha planejamento e que sejamos ouvidos – diz Claudio Bier, presidente do Sindicato das Indústrias de Máquinas e Equipamentos Agrícolas (Simers).

E se os desafios para organizar as duas feiras simultaneamente existem, os do setor que elas colocam na vitrine, o do leite, também. Presidente da Comissão de Exposições e Feiras da Federação da Agricultura do Estado (Farsul), Francisco Schardong chamou atenção para o fator Mercosul, com impactos também para o arroz e para o trigo que, coincidentemente, realizam eventos nesta semana (a Expoarroz em Pelotas e a Fenatrigo, em Cruz Alta):

– O Mercosul tem prejudicado essas três cadeias. Se olharmos para a do leite, o pequeno produtor já foi embora. A Expoleite é uma festa, mas faço reivindicação porque o setor precisa de oxigênio novo.

Ainda sobre o quesito manifestação, Leonardo Lamachia, presidente da Federação Brasileira das Associações de Criadores de Animais de Raça (Febrac), saudou a derrubada na Assembleia Legislativa da necessidade de plebiscito para privatização de estatais:

– Precisamos urgentemente reduzir o tamanho do Estado para liberar recursos para aplicar em coisas básicas, como segurança.

gisele.loeblein@zerohora.com.br gauchazh.com/giseleloeblein 3218-4709

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora