CAMPO ABERTO – COM A FORÇA DA GRAVIDADE

Pesquisa desenvolvida pelo Laboratório de Farmácia Aeroespacial Joan Vernikos do Centro de Pesquisa em Microgravidade da PUCRS (MicroG) avaliou os efeitos da hipergravidade no desenvolvimento de eucaliptos.

Feito em parceria com a CMPC Celulose, o projeto mostrou que o número de sementes germinadas foi maior, e isso ocorreu em menor tempo. Ou seja, o crescimento foi acelerado. É preciso dar continuidade ao trabalho, mas os resultados dão perspectiva de ganho de produtividade e competitividade ao setor florestal.

Uma centrífuga é utilizada para simular o ambiente de hipergravidade (qualquer valor maior do que a gravidade terrestre, de 1G), em um processo patenteado nos Estados Unidos e em análise no Brasil e na Europa. As sementes foram expostas a escalas de 3G, 5G e 7G, em período de um a nove dias.

– Agora, entraremos em pesquisa mais aprofundada, para ver em termos de gene, o que isso significa – afirma Marlise Araújo dos Santos, coordenadora do MicroG.

Hortaliças testadas também tiveram desenvolvimento acelerado. No caso do manjericão, as sementes avaliadas em ambiente "normal" resultaram em 33 flores. Na hipergravidade, em 117 flores.

gisele.loeblein@zerohora.com.br gauchazh.com/giseleloeblein 3218-4709

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *