CAMPO ABERTO – Auditoria da aftosa sai em setembro

O primeiro grande teste do Rio Grande do Sul no caminho para a retirada da vacina contra a febre aftosa já tem prazo. Na primeira quinzena de setembro deverá ser realizada auditoria do Ministério da Agricultura com foco na doença. Técnicos da pasta verificarão se estruturas, programas e agentes públicos atendem aos critérios estabelecidos para que a imunização deixe de ser feita.

O pedido para a vistoria foi formalizado em abril pela Secretaria da Agricultura. Ontem, veio a confirmação do período. E o que isso significa? Em um primeiro momento, que o sistema de defesa será minuciosamente examinado. Conforme Bernardo Todeschini, superintendente do ministério no RS, encerrada a avaliação, relatório sai em até 45 dias.

– A exigência da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) para a evolução do status sanitário é de um ano sem vacinação. Então, se o Estado deixar de vacinar no ano que vem, seria possível buscar o reconhecimento em 2021 – explica Todeschini.

Para chegar lá, o RS precisa assegurar que tem bala na agulha e condições de dar pronta resposta em eventual surgimento de focos. Rogério Kerber, presidente do Fundo de Desenvolvimento e Defesa Sanitária Animal (Fundesa), lembra que nos últimos 10 anos já foram investidos R$ 17 milhões em melhorias. Uma das primeiras ações foi informatizar o sistema de defesa sanitária. Também foram revitalizados ou construídos postos de divisa.

– E criamos condições de dar resposta rápida a doenças vesiculares, como a aftosa. No foco em 2000, se levava de 15 a 20 dias para termos resposta. Hoje, é em 36 horas – diz Kerber.

Dar condições e estar ciente de que serão necessários recursos extras é preocupação da Associação dos Fiscais Estaduais Agropecuários.

– Tem muito técnico e fiscal em setores administrativos.Inevitavelmente, o Estado terá de chamar mais servidores. E isso custa dinheiro. É aí que entra a possibilidade de contribuição mais ativa do parlamento – avalia o deputado Rodrigo Lorenzoni, proponente de audiência realizada ontem na Assembleia sobre o tema.

gisele.loeblein@zerohora.com.br 3218-4709

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora

Compartilhe!