CAMPO ABERTO – APRENDIZADO COM A CRISE

Ao fazer um balanço do setor, a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) apontou alguns aprendizados que vieram com situações adversas, entre elas os embargos. O Rio Grande do Sul, por exemplo, terceiro maior exportador do país de frango, sofreu mais do que Paraná e Santa Catarina. Os gaúchos exportaram volume 22% menor de janeiro a julho – enquanto paranaenses acumularam recuo de 2% e catarinenses, alta de 22%. A razão para isso está no fato de que o Estado tinha a maior parte das unidades suspensas pela União Europeia.

Na indústria suína, o maior desafio foi preencher o vazio deixado pelo embargo da Rússia. O país foi destino, em 2017, de 40% dos embarques brasileiros.

– Procuramos novos mercados. Recuamos só 12% porque realocamos o produto. Ficamos menos dependentes dos russos – afirma Francisco Turra, presidente da ABPA.

gisele.loeblein@zerohora.com.br gauchazh.com/giseleloeblein 3218-4709

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *