CAMPO ABERTO – APOSTA NO STF PARA DERRUBAR TABELA

Com a sanção da lei que impõe a tabela de fretes no Brasil, entidades do agronegócio apostam todas as suas fichas nas ações diretas de inconstitucionalidade que tramitam no Supremo Tribunal Federal (STF). É a alternativa que resta para tentar derrubar a medida considerada incompatível com a economia de livre mercado.

– É intervenção na iniciativa privada. Quem mais vai perder com essa história é o caminhoneiro autônomo – diz Gedeão Pereira, presidente da Federação da Agricultura do RS (Farsul).

A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) classifica a lei como "retrocesso a políticas públicas abandonadas pelo país nos anos 1990". A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) acrescentou: "A competitividade nacional e internacional do país está em jogo neste momento".

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) é uma das entidades que entrou com ação no STF. A decisão não deve sair antes do fim do mês. Está marcada para o dia 27 audiência pública para tratar do tema.

Até lá, o setor seguirá sofrendo os impactos. As exportações caíram – a tabela impactou a liquidez – e os custos subiram.

Segundo a Abiove, os primeiros cálculos apontam que o tabelamento "acarreta alta de custos da ordem de R$ 73,9 bilhões" por ano, que "será paga por toda a sociedade brasileira", com impacto de 0,92 ponto percentual na inflação do ano e redução de massa salarial real em R$ 20,7 bilhões.

– A comercialização futura de soja está praticamente parada. Estamos deixando de aproveitar a briga comercial entre Estados Unidos e China – lamenta Vicente Barbiero, presidente da Associação das Empresas Cerealistas do Estado.

gisele.loeblein@zerohora.com.br gauchazh.com/giseleloeblein 3218-4709

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora