CAMPO ABERTO – APOSTA EM QUALIDADE PARA CRESCER

Com a maciez da carne como principal bandeira, o Núcleo Poll Dorset Sul quer fazer bonito na Expointer e no mercado brasileiro. A entidade dará início à certificação a partir desta safra.

A iniciativa será feita por meio da parceria estabelecida com a Cordeiro da Estância. O resultado será o selo Cordeiro da Estância Poll Dorset Prime. Com isso, será possível agregar valor para os criadores – a bonificação é estimada em 10%.

Mas quem vai conferir a novidade será o consumidor paulista. É para lá que serão enviados os produtos certificados (e rastreados), onde chefs de cozinha buscam esse item.

– O trabalho do núcleo é fomentar o aumento da raça. A meta é de 15% a 20% a partir do próximo ano – afirma Claudio de Sottomaior Filho, presidente do Núcleo Poll Dorset Sul.

Hoje, existem no Estado 150 criadores, com rebanho de 5 mil cabeças. Na Expointer, serão 22 exemplares e uma parceria com o consulado britânico – a origem primitiva da raça é o condado de Dorset, na Inglaterra.

A raça é de dupla aptidão. Além da carne, com marmoreio diferenciado, produz lã fina.

A longa distância entre Uruguaiana, na Fronteira Oeste, e Esteio faz com que os proprietários da Cabanha Oliveira se apressem para chegar no parque Assis Brasil, onde ocorre a Expointer. Tudo para dar tempo de adaptar os animais para os julgamentos. Há cinco anos, animais da propriedade são os primeiros a cruzar os portões. Ontem, foi uma fêmea da raça texel. O cabanheiro Cleber Antônio Lopes Martins, que viajou ao lado dos animais, avalia que, mesmo sendo cansativo – o caminhão deixou Uruguaiana às 5h de domingo – a exposição compensa:

– A Expointer é uma vitrine para o resto do Brasil. Nossos animais, sendo expostos aqui, ficam conhecidos no país.

De acordo com Martins, os ovinos perdem entre três e cinco quilos durante a viagem e levam em torno de uma semana para recuperar o peso.

Todos os animais que chegam ao parque passam por avaliação.

– Se falta alguma documentação, podem ficar isolados, esperando que isso se resolva. Se for constatada alguma doença parasitária ou infectocontagiosa no exame realizado, o animal tem sua entrada barrada e retorna para a origem – explica José Arthur Martins, chefe dos serviço de exposições e feiras da Secretaria da Agricultura.

O secretário Odacir Klein acompanhou a chegada dos primeiros animais. Para ele, a qualidade genética expressiva faz com que se tenha expectativa de "boa exposição e comercialização".

Até as 19h, 361 animais haviam ingressado no Assis Brasil, entre bovinos de corte e leite, equinos, ovinos e aves. CINCO VEZES PRIMEIRO

gisele.loeblein@zerohora.com.br gauchazh.com/giseleloeblein 3218-4709

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *