CAMPO ABERTO – Alerta para golpe

A Secretaria da Agricultura faz alerta sobre golpe que está sendo aplicado. Se passando por representantes do governo, os golpistas oferecem máquinas e produtos em troca de depósito de valores para frete. A pasta reforça que não realiza esse tipo de abordagem e orienta, em caso de contato, que a Polícia Civil seja acionada.

“O reflexo da estiagem não acaba com a chuva”

ENTREVISTA: CARLOS JOEL DA SILVA Presidente reeleito da Fetag-RS

Atual presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do RS (Fetag), Carlos Joel da Silva foi reeleito ontem para a gestão 2020-2024, com 95% dos 492 votos. À coluna, ele falou sobre impactos da estiagem e metas da entidade.

Qual o principal desafio para a nova gestão?

É garantir renda para o agricultor, para que fique na atividade. O Paraná, por exemplo, tem projeto de desenvolvimento de longo prazo. Qual o planejamento do Rio Grande do Sul para o ano que vem? Devemos sentar e discutir o que queremos com agricultura e pecuária, olhar infraestrutura, financiamentos, seguro, irrigação.

Como a estiagem afeta a produção familiar?

Temos perdas consolidadas e que ainda irão se consolidar. O reflexo da estiagem não acaba com a chuva. A soja que se recupera com a chegada da chuva não produzirá a mesma coisa do que em ano normal. Então vai ter quebra dessa produção. O leite também demora para retomar. Se não tivermos chuvas boas para recuperar pastagens no inverno, cai ainda mais. O que recupera mais rápido é o hortifrutigranjeiro. Temos muita soja e milho sendo plantados nesta semana, depois da chuva.

O cenário atual pode impactar ainda mais a pecuária de leite, que perdeu quase 40% dos produtores em quatro anos?

Vai ficando cada vez mais difícil. Quando há produção menor, a tendência é de o preço subir. Mas o produtor não tem leite. A estiagem vem prejudicar ainda mais, dificultar com que o produtor continue na atividade. No ano, em dois ou três meses o preço está razoável, depois, temos oito ou nove meses que o produtor paga para produzir. Se não mudar a política do leite, só do médio produtor para cima ficará, e o pequeno acabará saindo.

Qual a importância do Proagro em situações de perdas?

É neste momento que vemos a importância de seguro bem feito e que garanta a renda para o agricultor. O Proagro é muito bom e poderia ser melhor, precisamos aprimorar. Hoje, contempla até 80% da renda prevista do agricultor. Então, fará a diferença para muito agricultor nesta estiagem. O seguro rural também não é tão ruim, mas é caro e não é suficiente para atender à demanda do país. Precisamos aprimorá-lo. O seguro é essencial para a agricultura para manter os agricultores sem dívidas.

R$ 630,9 bilhões

foi o valor bruto da produção agropecuária em 2019, segundo dados do Ministério da Agricultura. É 2,6% maior do que o do ano anterior e novo recorde para série histórica iniciada em 1989. O resultado foi puxado, entre outros fatores, pelo aumento das vendas para o mercado externo. Dois dos destaques são os embarques de milho e o desempenho da pecuária.

gisele.loeblein@zerohora.com.br 3218-4709

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *