CAMPANHA POR CONTROLE VETERINÁRIO

O Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV-RS) lançou ontem, na Capital, campanha para valorizar veterinários e atacar irregularidades em casas agropecuárias e pet shops que vendem de animais vivos à ração e medicamentos. Pela legislação em vigor, esses estabelecimentos são obrigados a ter registro no conselho e possuir um veterinário como responsável técnico (RT), mas, na prática, isso não acontece. Das 4.221 empresas em funcionamento no RS, 1.011 não possuem RT, problema que se concentra na Região Metropolitana. Além disso, 730 delas também não têm registro para comércio de produtos veterinários. Elas foram autuadas e seguem funcionando, amparadas por decisões judiciais ou em processo de regularização. As punições vão de multa de até R$ 3 mil ao fechamento, tarefa do Ministério da Agricultura. Além da campanha, o conselho quer os RTs em tempo integral nos pontos de venda, como ocorre nas farmácias. De acordo com o chefe de fiscalização do Conselho, José Pedro Martins, hoje, a lei determina a contratação do profissional, mas não estabelece a carga horária que ele deve cumprir no local. De acordo com o coordenador de Fiscalização de Produtos Agropecuários do Mapa, Warley Campos, essa deliberação é dos conselhos.

Administração de medicamentos de forma indiscriminada e uso por pessoas de fármacos veterinários com mesmo princípio ativo estão entre os riscos. Entre 2005 e 2010, segundo o Centro de Informações Toxicológicas, foram 1.412 casos de intoxicação e quatro óbitos. ‘Os números são assustadores’, constata o presidente do CRMV-RS, Rodrigo Lorenzoni. Com slogan ‘Aqui tem médico veterinário, aqui tem mais saúde’, a iniciativa vem reforçar a fiscalização do conselho, que vistoria as empresas quatro vezes ao ano.

A adoção de receituário específico para medicamentos veterinários para garantir um comércio mais seguro está em discussão em Brasília. O doutor em farmacologia Augusto Langeloh defende o fim da venda livre de medicamentos nas agropecuárias.

Fonte: Correio do Povo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *