Cafeicultores apostam na rastreabilidade para ganhar mercado internacional

Lideranças do setor trabalham com tecnologia, informação e a transparência do café para garantir novos mercados

  • Marcelo Lara

Divulgação

Foto: Divulgação

Código vai mostrar a página com toda rastreabilidade do lote do café

Os cafeicultores enfrentaram uma das piores crises da história em 2013. Apesar disso, o setor acredita que 2014 deve ser diferente. As entidades que representam as regiões produtoras buscam agregar valor ao café e conquistar novos mercados.
>> Leia mais notícias do setor do café

As lideranças da cafeicultura trabalham para que a crise não prejudique a posição do Brasil no mercado internacional. Para isso a tecnologia, a informação e a transparência são as armas. Na região do cerrado mineiro basta o consumidor usar o leitor de código, conhecido como QR Code, para ter acesso até a imagens da fazenda. Segundo o diretor de marketing da Federação dos Cafeicultores da Região do Cerrado Mineiro, Juliano Tarabal, a rastreabilidade é completa.

– Esse código vai mostrar a página com toda rastreabilidade do lote. Vai conter as informações da propriedade, o nome do produtor, a safra, gráfico sensorial. Também é possível visualizar o certificado de origem, o gráfico de torra, além do laudo da bebida. Essas informações vão dar total transparência ao processo – diz Tarabal.

Tarabal explica que o caso de maior sucesso é com o Japão. Segundo ele, os japoneses querem a história de cada café que chega à mesa e valorizam trabalhos que geram credibilidade além é claro do sabor e da qualidade.

Os cafeicultores da região do cerrado mineiro enfrentam a crise dos baixos preços sem deixar de lado as metas traçadas no projeto maior, que é a consolidação do mercado internacional.
– No momento de crise é preciso manter o plano. Felizmente a região do cerrado mineiro tem um planejamento de longo prazo, independente de crise ou não, através das parcerias com Sebrae, Osemg e Ministério da Agricultura. Nós conseguimos seguir nossa meta que é diferenciar cada dia mais nosso café e fazer com que isso traga renda para o nosso cafeicultor – conclui Assis.

CANAL RURAL

Fonte: Ruralbr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *