CAFÉ – Safra de arábica tende a se recuperar com clima

Já a variedade robusta deve continuar com produtividade reduzida e cotações sustentadas

café_grãos (Foto: Rogerio Albuquerque / Editora Globo)

Estoques do café arábica devem continuar em níveis reduzidos em 2016(Foto: Rogerio Albuquerque / Editora Globo)

O clima no primeiro semestre de 2016 tende a continuar favorável ao desenvolvimento da safra 2016/2017 de café arábica, mas prejudicial para a variedade robusta, projetou nesta quarta-feira (13/1) o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea).

Em relatório sobre perspectivas para 2016, o Cepea diz que, mesmo com expectativa de maior produção de arábica no Brasil, os estoques da variedade devem continuar em níveis reduzidos, de modo a sustentar os preços ao longo do ano.

saiba mais

Quanto ao robusta, este deve se manter valorizado, considerando que a produção tende a registrar nova queda. "Até o início de janeiro, o clima favoreceu a abertura das flores nas lavouras de arábica e também a granação. Com isso, a maioria dos produtores tem realizado os tratos culturais recomendados", destacou o centro de estudos, lembrando que a próxima temporada será de bienalidade positiva.

Colaboradores do Cepea indicam que, caso ascondições climáticas sigam favoráveis, a produção de arábica pode superar a da atual temporada, tanto em qualidade como em volume. Já o robusta tem sido prejudicado pelo El Niño. No Espírito Santo, a quantidade de chuva foi reduzida em 2015, especialmente no segundo semestre. "Apesar de as floradas nas lavouras capixabas terem sido uniformes e volumosas, a forte estiagem e as altas temperaturas prejudicaram o desenvolvimento da safra. A seca também atrapalhou os tratos culturais e as expectativas iniciais são de que a safra 2016/2017 não seja boa", disse o Cepea.

Citando a Somar meteorologia, o centro de estudos informa que o enfraquecimento do El Niño no Brasil só deve ocorrer a partir de junho, com a chegada do inverno. Para as regiões produtoras dearábica, o excesso de umidade pode prejudicar a colheita, tradicionalmente iniciada no fim do primeiro semestre.

POR ESTADÃO CONTEÚDO

Fonte : Globo Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *