Brigada Militar e Secretaria da Agricultura fiscalizam abatedouro

Policiais Militares da Patrulha Ambiental (Patram) da Brigada Militar de Pelotas efetuaram patrulhamento em zona rural em conjunto com dois fiscais agropecuários e um técnico agrícola da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr). O objetivo era averiguar uma denúncia de abate clandestino de gado em uma propriedade em Capela da Buena, em Capão do Leão, às margens da BR 293. A guarnição teve o apoio de duas viaturas da Força Tática e de uma viatura da Seção de Inteligência do 4º Batalhão de Policiamento Militar (BPM).

No local, foram encontrados diversos indícios de abate de gado, como ossadas, couros, vísceras e uma grande quantidade de material, tipo, facas, serras e balanças. Os fiscais da secretaria efetuaram a notificação administrativa, bem como fizeram a apreensão de 45 Kg de carne de cavalo, que estavam em um freezer e supostamente seriam vendidos para lanchonetes.

"É importantíssimo que ações como essa sejam realizadas, porque geralmente estes abates clandestinos tem origem no abigeato (roubo de animais) e são feitos em péssimas condições de higiene e sem nenhum tipo de controle sanitário. E esta carne depois é oferecida para a população por um preço muito abaixo do praticado pelo comércio, trazendo riscos para a saúde.

Então, uma ação como esta vem para coibir dois crimes: o abigeato e o comércio de carne clandestina", destaca Liége de Araújo, Supervisora Regional de Pelotas da Seapdr.

Durante a busca feita na propriedade, foram encontrados um revólver calibre 32 e duas armas de caça, ambos sem procedência e sem registro, bem como uma boa quantidade de munição.

Também foi verificada a existência de uma grande quantidade de pneus, alguns deles sendo utilizados como depósito de ossos e vísceras dos animais abatidos. Uma Notificação Ambiental foi emitida para que seja dada a destinação correta para o material. A carne foi inutilizada e recolhida por uma empresa que faz ingredientes para ração animal. A proprietária da residência foi encaminhada para a DPPA/ Pelotas para o devido registro.

Fonte: Jornal do Comércio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *