BrasilAgro compra área no Maranhão por R$ 100 milhões

Ainda que a euforia em relação ao "Matopiba" – região de confluência entre os Estados de Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia – tenha sido prejudicada pelas frustrações de safra das últimas temporadas, a BrasilAgro decidiu investir no Maranhão.

A companhia focada no desenvolvimento de terras agrícolas, que encerrou o segundo trimestre de seu atual exercício com 194,9 mil hectares no Brasil e no Paraguai, anunciou ontem a aquisição, por R$ 100 milhões, de 17,6 mil hectares de terras no município de São Raimundo das Mangabeiras, no sul do Estado. Dessa área adquirida, 10 mil hectares são terras agricultáveis. Além da compra, a empresa fechou uma parceria agrícola em uma área de 15 mil hectares para produção de cana. As terras fazem parte da Fazenda São José, localizada no mesmo município.

"Apesar de algumas regiões do Matopiba terem sofrido muito, o Maranhão é uma das que menos têm sofrido com eventos climáticos. Ali, você tem uma distribuição de chuvas mais eficiente em função da predominância do volume de chuvas da região amazônica", afirmou André Guillaumon, presidente da BrasilAgro, ao Valor.

A estratégia é buscar ativos que estejam passando por algum tipo de estresse financeiro. "Esse tipo de problema compromete os manejos de culturas e a área não atinge o potencial produtivo que tem", disse Guillaumon. Segundo o executivo, a área de cana-de-açúcar incluída na parceria produziu na safra 2015/16 entre 60 e 65 toneladas de cana por hectare.

"É uma região não tradicionalmente produtora de cana-de-açúcar, mas acreditamos que a adoção de tecnologias mais eficientes vai trazer a produtividade a níveis parecidos com as regiões produtoras", avaliou. Ele previu produtividade entre 85 e 90 toneladas por hectare para a cana, níveis parecidos com os que a BrasilAgro já obtém com a cultura no Centro-Oeste.

A parceria agrícola, que será chamada de Parceria IV, terá a duração de 15 anos, com a opção de prorrogação pelo mesmo período. Da produção da área de parceria, uma fatia de 10% ficará com a Fazenda São José.

Dos 17,6 mil hectares adquiridos pela BrasilAgro, uma porção de 7,6 mil hectares corresponde à área de preservação ambiental. A companhia pretende destinar os 10 mil hectares à produção de soja e milho. "Por ser uma área mais madura [que já está em produção], com grande fertilidade, vai nos permitir plantar a safra de verão precoce de soja, possibilitando uma segunda safra de milho dentro da janela ótima de chuvas na região", explicou.

Por Kauanna Navarro | De São Paulo

Fonte : Valor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *