Brasil pode precisar importar algodão

O Brasil pode precisar importar algodão até maio do ano que vem, segundo a Associação Nacional dos Exportadores de Algodão (Anea). Tudo vai depender, segundo o presidente da entidade, Marco Antonio Aluisio, do volume que será efetivamente exportado.

O executivo estima que do total de 1,250 milhão de toneladas produzidas em 2012/13, em torno de 800 mil a 900 mil toneladas vão ficar no mercado interno e, entre 400 mil e 450 mil vão ser exportadas.

"No entanto, se o volume embarcado ao exterior superar 450 mil toneladas, o Brasil pode precisar importar algodão no primeiro semestre do ano que vem", afirma Aluisio, que assumiu a presidência da Anea em junho deste ano.

De acordo com o especialista Elcio Bento, da Safras & Mercado, até o mês de maio do ano de 2014 o Brasil pode precisar importar em torno de 200 mil toneladas da pluma, o maior volume desde a safra 1999/2000.

Até agora, cerca de 70% da área plantada em 2012/13 de algodão no país já foi colhida, segundo estimativas da Anea. O volume entregue até o momento, segundo Aluisio, está com "excelente" qualidade. Na Bahia, onde a colheita está mais adiantada, em torno de 60% da área vendida antecipadamente já foi entregue, de acordo com ele.

Para 2013/14, o mercado está travado, com produtores à espera de preços mais altos. A estimativa é que 220 mil toneladas estejam vendidas para entrega na próxima safra, o que representa 14% da produção esperada (em torno de 1,5 milhão de toneladas). "Normalmente, para esta época do ano, esse percentual está na casa dos 30%", afirma o dirigente. (FB)

© 2000 – 2013. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/agro/3249468/brasil-pode-precisar-importar-algodao#ixzz2dGqrekcJ

Fonte: Valor | Por De São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *