Brasil aproveita embate comercial e exporta mais soja em grão para a China

O destaque negativo é que nos primeiros sete meses do ano os asiáticos importaram 53% menos óleo de soja do país

O embate comercial entre China e os Estados Unidos, parece enfim trazer algum lucro ao Brasil. De janeiro a julho deste ano o país asiático importou 11% mais soja dos brasileiros que o mesmo período do ano passado, afirma a Secretaria de Comércio Exterior (Secex). O dado contrasta com a informação de uma consultoria de que os chineses adquiriram menos produto do mercado internacional em julho deste ano, ante o ano passado.

O Brasil exportou para a China um total de 43,9 milhões de toneladas de soja em grão de janeiro a julho deste ano. Esse total representa um incremento de 11% ante o mesmo período do ano passado quando o país embarcou 39,4 milhões de toneladas.

Já a Espanha, que é o segundo maior comprador de soja em grão do Brasil, comprou 1,7 milhão toneladas nos primeiros sete meses deste ano, um recuo de 4% sobre o ano anterior. Ainda não está claro se o acordo firmado entre os Estados Unidos e a União Europeia teve influência neste resultado. Na terceira colocação está o Irã com 1,2 milhão de toneladas, alta de 10%.

Outro dado do Secex que chamou a atenção foi a respeito das vendas de óleo de soja para a China que, de janeiro a julho deste ano, recuaram incríveis 53%, passando de 294,7 mil toneladas, para 137 mil toneladas neste ano. Já a Índia compensou essa queda e comprou 63% mais óleo de soja este ano, ante o ano passado.

China compra menos do mercado internacional

Segundo economistas da Daiwa Capital Markets as importações chinesas de soja em grão referentes ao mês de julho confirmaram que o país está adquirindo menos produto no exterior, apesar de estar pagando mais por ele. A informação foi dada pela Agência Dow Jones.

Em julho, a China importou 21% a menos, em meio às tarifas impostas à soja norte-americana, enquanto pagou 12% a mais. A maior importação de óleo de soja pelos chineses também pode ser responsável pela queda no grão.

Fonte : Canal Rural