Bote salva-vidas

Avança, no Congresso Nacional, a proposta de inclusão da carne suína na política de garantia de preços mínimos do governo federal. O projeto já foi aprovado pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara. Não tem por que não virar lei. Afinal, é inaceitável que a suinocultura, que mobiliza milhares de agricultores familiares e exporta para muitos países, ainda não conte com essa rede de proteção. Não que o preço mínimo seja a solução para todos os males do setor. Outros produtos, como o trigo e o arroz, que contam com a segurança do preço mínimo oficial, acabam muitas vezes sendo comercializados por valores inferiores, quando a oferta aumenta. Mas, como diz o consultor Osler Desouzart, o preço mínimo é como o bote salva-vidas em um navio. O ideal é que o navio navegue sem precisar usá-lo mas, se precisar, numa emergência, o bote estará lá para isso. Funciona, também, como um sinal de alerta para o mercado, que fica sabendo que os preços não se degradarão a níveis insuportáveis para os produtores. Os leilões do governo podem vir a ser o instrumento de calibragem para regular a oferta de carne suína no mercado e os preços.

Fonte: Zero Hora | OLHAR DO CAMPO | Irineu Guarnier Filho