Biodiesel não ameaça inflação, diz pesquisa

Um eventual aumento de 5% para 7% do percentual de mistura obrigatória de biodiesel no diesel comercializado no país não traria pressão "altista" significativa sobre a inflação, apontam os resultados de uma pesquisa realizada pela Fundação Getulio Vargas (FGV) divulgados pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove).

Já apresentados à Casa Civil da Presidência, os cálculos da FGV mostram que esse incremento, que poderia ser atendido com óleo de soja à disposição no mercado, provocaria elevações de 0,014 ponto percentual no IPCA, de 0,035 no IPA e de 0,027 no IGP-M. A pesquisa foi baseada no Boletim Focus do Banco Central do dia 25 de janeiro, que mostrava expectativas do mercado para IPCA e IGP-M nos próximos 12 meses de 5,53% e 5,33%, respectivamente.

A Abiove realça que o impacto da elevação da mistura nos itens "cesta básica" e "transporte urbano de passageiros" também seria muito pequeno. A indústria produtora de biodiesel instalada no país intensificou o lobby pelo aumento da mistura de 5% para 7% no ano passado, justamente em virtude da grande capacidade de produção disponível. E o objetivo é chegar a 20% nos próximos anos.

Conforme a pesquisa da FGV, com uma mistura de 20% o impacto sobre o IPCA seria de 0,104% e sobre o IGP-M, de 0,195%. O trabalho é baseado em parâmetros atuais de produção, produtividade e preços.

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/empresas/3008738/biodiesel-nao-ameaca-inflacao-diz-pesquisa#ixzz2LFnFgNy7

Fonte: Valor | Por Fernando Lopes | De São Paulo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.