Bill Gates está em busca de um milagre para a energia

O que será preciso para produzir energia mais barata e, ao mesmo tempo, reduzir emissões de carbono? Bill Gates tem uma receita: vontade política, inovação e muita verba.

O empresário e filantropo discutiu o assunto com o The Wall Street Journal na conferência ECO:nomics, promovida pela publicação na Califórnia na semana passada. Eis alguns trechos editados da conversa:

WSJ: A Fundação Gates é focada em saúde, desenvolvimento, educação. Ela não é focada em energia. Por que o sr. está aqui?

Bill Gates: Se você quer melhorar a situação dos dois bilhões mais pobres do planeta, reduzir substancialmente o preço dos combustíveis seria a melhor coisa a fazer por eles. Isso, juntamente com a restrição ao carbono, é muito importante, em parte porque o aquecimento global torna a agricultura tropical praticamente impossível.

WSJ: O sr. já disse que não basta reduzir o crescimento das emissões de carbono: é preciso zerá-las. Por quê?

Gates: Nunca vamos chegar a zero. Mas se você quer que o aquecimento pare de subir todo ano, é preciso conseguir números extremamente baixos.

WSJ: Quanto tempo vai levar para que apenas 50% das nossas necessidades mundiais de energia, e não 80% como é hoje, sejam atendidas por combustíveis fósseis?

Gates: As pessoas subestimam a dificuldade de se fazer essas mudanças. Elas veem fontes de energia intermitentes, sem pensar em armazenamento e transmissão. Elas olham para coisas que são profundamente subsidiadas e esquecem que são profundamente subsidiadas. Elas olham só para o mundo rico, e não olham para onde todo o aumento de energia está acontecendo, em áreas de renda média e baixa.

Se financiarmos pesquisa básica num nível razoável, o que os Estados Unidos e outros países não fazem, vamos encorajar a experimentação, se fizermos a coisa certa, há uma chance de atingirmos metas bem agressivas num prazo de 75 anos.

WSJ: O sr. disse numa ocasião que há cinco milagres de que precisamos para isso acontecer.

Gates: Nós não precisamos de cinco. Precisamos de um dos cinco.

Vamos analisar a captura de carbono. Se o suprimento de gás natural continuar a crescer e a tecnologia de perfuração continuar melhorando, tudo que vamos precisar é iniciar a captura de carbono sobre esse negócio e estar disposto a pagar por isso. Você pode imaginar um futuro onde se usa muito gás natural e se consegue fazer captura extremamente boa, tipo 95%. Esse milagre, sozinho, já ajudaria bastante, porque o planeta tem muito carvão e muito gás natural.

O próximo milagre é energia nuclear. As usinas que existem hoje no mundo são basicamente de primeira ou segunda geração. Há poucas de terceira geração no planeta. Estou investindo num desenho de quarta geração.

WSJ: Dá para o sr. explicar como essa tecnologia funciona?

Gates: A parte do urânio que é físsil – quando você a atinge com um nêutron, ela se parte em duas – é de cerca de 0,7%. Os reatores que temos hoje estão queimando esses 0,7%. Havia um conceito pelo qual você faria um tipo diferente de reator que geraria um punhado de outro elemento chamado plutônio, e então você extrairia isso e depois o queimaria. Isso é chamado de regeneração num reator rápido. Mas o plutônio é material de armamento nuclear, ele é difícil e o processo para sua produção não só é ecologicamente complicado como também extremamente caro.

O conceito do reator TerraPower é que no mesmo reator, você tanto queima quanto regenera. Em vez de fazer plutônio e depois o extrair, pegamos o urânio – os 99,3% que geralmente não servem para nada -, convertemos e queimamos tudo. Os 99,3% são muito baratos e há um monte disso [no Estado americano de] Kentucky, isso é suficiente para abastecer os EUA por centenas e centenas de anos.

WSJ: Qual o cronograma para isso?

Gates: Em 2022, se tudo correr perfeitamente, nosso reator de demonstração estará pronto. E em 2028, presumindo que tudo continue a correr perfeitamente, vai ser um projeto que poderá ser reproduzido.

WSJ: Com que frequência as coisas correm perfeitamente?

Gates: Em energia nuclear? Se você ignorar 1979, 1986 e 2011, nós tivemos um bom século. Não, sério. Energia nuclear, em termos de histórico geral de segurança, é melhor do que qualquer outra forma de energia.

WSJ: Faltam três milagres…

Gates: Você pode ter um milagre que tenha a ver com o resto dessas fontes de energia, seja sol, vento ou biocombustíveis. A quantidade de terra envolvida, os lugares em que você pode fazer isso de maneira adequada e – no caso de vento e do sol – a intermitência cria um problema enorme. Todas requerem armazenagem e transmissão.

WSJ: Por armazenagem o sr. quer dizer baterias?

Gates: Não necessariamente. Há uma empresa de armazenagem com gravidade, com a qual estou envolvido.

WSJ: Isso é levantar e depois derrubar coisas ao pico de sua energia.

Gates: É basicamente cascalho em teleféricos. Se você tem um período de disponibilidade de energia, você pega o teleférico e despeja cascalho nele e leva [o cascalho] para o topo do morro. E então se você não tem energia, você rola [o cascalho] morro abaixo para gerar energia.

WSJ: O sr. põe probabilidades em cada um desses milagres?

Gates: É difícil. Acho que pelo bem da sociedade, precisamos financiar pesquisa básica de energia pelo menos duas vezes mais do que fazemos hoje. E para algumas dessas coisas, você tem de impor um sério imposto de carbono.

WSJ: Qual a possibilidade de isso acontecer nos próximos dois anos?

Gates: Depende do QI do público dos EUA.

WSJ: E sua atual avaliação dele?

Gates: Em qualquer momento que você olhar a política de perto, ela vai parecer bem feia. Ainda assim, os EUA têm conseguido fazer a coisa séria em várias questões. Eu acho que, com o tempo, esse consenso vai emergir.

WSJ: O gás natural é uma coisa boa ou ruim?

Gates: Se você esquecer a mudança climática, o que não se deve fazer, esse negócio do gás natural é fenomenal. É fantástico que possa haver muito mais do que as reservas comprovadas que temos hoje. Infelizmente, mesmo que o gás natural tenha menos emissões de CO2 por unidade de energia, há um pouco de vazamento, e qualquer vazamento é um ponto negativo drástico.

WSJ: O sr. preferiria um preço um pouco mais alto pelo combustível?

Gates: O ideal é um gás natural bem barato com um imposto de carbono.

Fonte:  Valor | Por Alan Murray | The Wall Street Journal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *