Bento Gonçalves (RS) decreta estado de calamidade pública devido à chuva

O município de Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul, decretou estado de calamidade pública na tarde desta segunda, dia 11, por 180 dias, devido aos estragos causados pelas chuvas e granizo que atingiram o interior da cidade no domingo, dia 10.

O granizo destruiu pomares de pêssego e outras culturas nos distritos de São Pedro e Vale dos Vinhedos. Nos distritos de Faria Lemos e Tuiuty também houve danos nas parreiras, mas em menor escala. Nesta época da safra, os vinhedos já se encontram em frutificação. Em São Pedro, na maioria das propriedades os prejuízos nos parreirais de uva ficam em torno de 60%, mas há locais em que as perdas podem ser maiores, ultrapassando 90%. Com o impacto das pedras de gelo, frutas caíram e muitos frotos ficaram machucados. No caso dos pomares, com o granizo a perda é total.
As subprefeituras e equipes da secretaria Municipal de Desenvolvimento da Agricultura estão inspecionando as propriedades agrícolas que foram atingidas. As estradas do interior também foram prejudicadas. Uma reunião com representantes da Emater-RS, Conselho Municipal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Comapa), sindicatos e Prefeitura vai elaborar um relatório completo ainda nesta semana.

O Rio Grande do Sul é o maior produtor nacional de pêssego. Segundo os dados consolidados do IBGE, em 2010 o Estado colheu 132,8 mil toneladas da fruta, uma produção equivalente a R$ 106 milhões. O segundo maior produtor de pêssegos é Minas Gerais, que colheu quase R$ 60 mil toneladas em 2010. Os prejuízos para os consumidores e indústria ainda precisam ser calculados.
Perdas em Caxias do Sul

Os estragos da chuva de granizo que atingiu outro município da Serra, Caxias do Sul, podem ter ocasionado a perda de 100% nas lavouras de hortaliças. Em entrevista ao jornal Pioneiro, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Caxias do Sul, Rudimar José Menegotto, disse que, além das grandes perdas das hortaliças, os estragos atingiram cerca de 70% dos parreirais de uva.

Fonte : Rural BR | Canal Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *