Bayer investe em aquisições para ganhar mercado de sementes de soja no Brasil

Empresa alemã acredita que o mercado deve dobrar nos próximos 20 anos

por Alana Fraga

Divulgação/Rally da Safra

Com as aquisições, a Bayer planeja ganhar destaque no mercado de sementes de soja no Brasil

Com um faturamento que superou os R$ 3 bilhões em vendas no Brasil no ano passado – 38% a mais que em 2011, aBayer CropScience tem ambiciosos planos de expansão entrando no mercado de soja no país. Para isso, a empresa alemã anunciou a aquisição de duas empresas degermoplasma no Brasil. No ano passado, a Bayer compro o banco de germoplasma da soja da MelhoramentoAgropastoril, em Cascavel (PR), e a Wehrtec, produtora de sementes da oleaginosa, localizada em Cristalina (GO), que só no ano passado faturou cerca de US$ 20 milhões. A empresa não divulgou o valor dos investimentos.
“O Brasil é um dos nossos focos, onde vemos grandes oportunidades de longo prazo na área de soja. Então estamos investindo em grandes aquisições e projetos para expandir esse mercado. Basicamente, esperamos que o mercado de soja no Brasil, que já é bem grande hoje, dobre nos próximos 20 anos”, comentou o CEO Global da Bayer CropScience, Liam Condon, em sua primeira visita ao Brasil durante esta semana.
Segundo Marc Reichardt, presidente da Bayer CropScience para o Brasil e América Latina, o plano da empresa é tornar-selíder no segmento de sementes de soja no país num longo prazo. “Há dois anos, começamos a fazer algumas aquisições, com a SoyTech (GO) em 2011 e agora com a Agropastoril, que tem uma ótima posição no Brasil. Com isso, acreditamos que nós agora estamos bem estabelecidos para dar um grande salto no desenvolvimento de novos produtos”, explicou.
De acordo com Reichardt, nos últimos anos a Bayer buscou identificar empresas que pudessem oferecer grandes bancos de germoplasmas para integrar aos trades da companhia. “Nosso objetivo é oferecer aos produtores as melhores soluções em sementes em alguns anos. O importante é que identificamos empresas que têm material genético para cobrir geograficamente todo o mercado, e não apenas do Brasil”, destacou.
As vendas da Bayer CropScience no Brasil e na Argentina cresceram 20% no ano passado (a empresa não divulgou os valores separadamente). Depois dos Estados Unidos, o Brasil é o maior mercado da Bayer, seguido de China e Índia.
Para Condon, apesar do crescimento da China na produção agrícola, o mercado brasileiro ainda é mais vantajoso. “A China tem um enorme potencial, mas o mercado é muito fragmentado. Precisamos de muito tempo para termos resultados consistentes, diferente do Brasil, que tem um grande crescimento em um curto espaço de tempo”, justifica.

Fonte: Globo Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *