Batavo e Castrolanda investem em leite no interior paulista

As cooperativas paranaenses Batavo e Castrolanda vão investir R$ 80 milhões em uma unidade de processamento de leite em Itapetininga, no interior de São Paulo. Trata-se de mais passo no projeto de operação conjunta que teve início no ano passado em laticínios, avançou para o segmento de suínos e pode ter ramificações em outras áreas, como sucos. A planta industrial paulista será erguida em três fases e deverá entrar em operação em outubro do ano que vem.

No começo, a unidade vai beneficiar 600 mil litros de leite por dia, depois 1 milhão de litros e, na sequência, 2 milhões. A unidade terá 20 mil metros quadrados de área construída e ficará em um terreno de 26 alqueires adquirido recentemente naquele município. "Vamos aumentar nossa oferta de produtos e serviços e contamos com a possibilidade de ampliar a bacia leiteira na região", afirma Edmilton Lemos, superintendente de operações lácteas das duas cooperativas. Deverão ser gerados 200 empregos diretos e 600 indiretos.

A fábrica paulista processará produtos das cooperativas e também de terceiros, como já acontece nas unidades do Paraná, onde são atendidas empresas como Danone, Nestlé e Itambé. E há mais planos em curso para justificar o aporte. "Temos a ideia de entrar na área de refrigerados e queremos estar mais perto do consumidor", afirma Lemos. A Castrolanda terá 60% da unidade e a Batavo, 40%.

Hoje as cooperativas também vão apresentar ao mercado uma nova marca para o segmento lácteo, a Colônia Holandesa, em referência à origem dos fundadores. Atualmente elas têm, juntas, capacidade para processar 2 milhões de litros de leite por dia. Com a parceria, novos investimentos e produtos, a intenção é ganhar corpo para enfrentar fusões e aquisições no mercado de laticínios e fortalecer o cooperativismo, segundo Lemos.

A marca Colônia Holandesa já começou a ser usada em leite em embalagens longa vida e condensado. Hoje as duas plantas de leite das cooperativas estão localizadas em Ponta Grossa e Castro. Em março, a Castrolanda, a Batavo e outra cooperativa, a Capal, fizeram parceria para atuar na área de suínos, com a construção de um frigorífico orçado em R$ 100 milhões.

Esses grupos atuaram juntos no passado, com a marca Batavo, antes de decidirem vender o negócio nos anos 90 para a Parmalat. Na sequência, o controle foi para a Perdigão e para a BRF – Brasil Foods.

A Castrolanda, que também atua na industrialização de batata e com ovinos, com marca própria e de terceiros, deve ficar com a gestão do frigorífico. Ela faturou R$ 1,3 bilhão em 2011. As receitas da Batavo somaram R$ 873 milhões e, as da Capal, R$ 459 milhões. Em 2011, a Batavo investiu R$ 60 milhões em uma fábrica de leite e criou a marca Frísia para voltar ao varejo. É essa unidade que fica em Ponta Grossa. A fábrica de Itapetininga fica a 300 quilômetros da sede da Castrolanda, em Castro (PR).

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/empresas/2778348/batavo-e-castrolanda-investem-em-leite-no-interior-paulista#ixzz22rixz8Hk

Fonte: Valor | Por Marli Lima | De Curitiba

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *