Barreira cultural

Ironicamente, chove sem parar na Expointer pós-seca, que tem por bandeira a irrigação. Apesar da chuvinha teimosa, o assunto domina os debates. Melhor assim: novas estiagens virão, e o campo tem de estar preparado. Em debate na Casa RBS, especialistas lembraram que a irrigação está mais acessível. Por vários motivos. O licenciamento ambiental para construção de açudes em áreas de até cem hectares ficou menos burocrático. Há crédito abundante, com juros baixos, para aquisição dos equipamentos.
O custo dos sistemas de irrigação diminuiu. Há 10 anos, custava cerca de 80% do preço de um hectare de terra. Hoje, custa 10%. Ainda há dificuldade de acesso à energia elétrica.
Mas a maior barreira a ser vencida é a cultural: é preciso convencer os produtores de que não é possível contar com a água da chuva para colher regularmente boas safras.

Fonte: Zero Hora | OLHAR DO CAMPO | Irineu Guarnier Filho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *