Bancos propõem mudanças no plano da LBR

Sem ter conseguido fechar a operação de aumento de capital que estava sendo negociada com a francesa Lactalis, a LBR – Lácteos Brasil retomou ontem a assembleia de credores para discutir o plano de recuperação judicial apresentado em maio passado. Mas a assembleia foi novamente suspensa – será retomada no próximo dia 9 – depois que credores financeiros com garantia real e financeiros quirografários (sem garantia) apresentaram uma proposta de alteração das condições do plano para as duas categorias.

Considerando "inviáveis" os juros propostos, credores financeiros com garantia real aceitam a manutenção do fluxo de pagamento do plano de recuperação original, mas querem mudanças nos juros. Pela proposta, esses credores terão o pagamento do principal em seis parcelas semestrais iguais com início em março de 2021 e quitação em setembro de 2023, e pagamento semestral de juros a partir de março de 2016 e amortização até setembro de 2023, corrigidos pela variação de 100% do Certificado de Depósito Interfinanceiro (CDI), a partir da data do pedido de recuperação judicial. Originalmente, a correção monetária era 2% ao ano.

Além disso, os credores com garantia real propõem que a LBR poderá, em qualquer momento, até o 60º mês desde a homologação do plano de recuperação judicial, liquidar a dívida que tem com eles, com um desconto de até 37,8% sobre o saldo devedor corrigido pela variação de 100% do CDI.

Os credores financeiros sem garantia também propõem correção monetária pelo CDI, mas menor prazo para pagamento e um desconto de 80% no valor da dívida. Pela nova proposta, o pagamento do principal seria realizado em seis parcelas semestrais iguais, a partir de junho de 2021, com quitação em 1º de dezembro de 2023. A proposta original previa quitação em dezembro de 2026.

Segundo o proposto por esses credores, os encargos seriam pagos em parcelas semestrais a partir de junho de 2016, com prazo de amortização até dezembro de 2023, corrigidos pela variação de 100% do CDI. Na proposta original, os juros eram de 2% ao ano e a amortização aconteceria em dezembro de 2026. Se essas alterações forem aprovadas, os credores financeiros quirografários concederão à LBR um desconto de 80% na dívida.

As mudanças propostas não afetam outras categorias de credores, para as quais as condições permanecem as mesmas. Os créditos dos fornecedores considerados "essenciais" vencidos até a data do pedido da recuperação serão pagos em até 24 meses, conforme o plano apresentado em maio. Já os demais credores e fornecedores "não essenciais", também quirografários, serão pagos a partir de janeiro de 2014 com quitação em janeiro de 2016. Os valores terão acréscimo de 2% ao ano em juros e correção monetária.

A assembleia de ontem foi suspensa até o próximo dia 9 para que os credores financeiros que não participaram da redação da proposta que altera o plano de recuperação judicial possam avaliá-la, explicou o administrador judicial da LBR, Ricardo Sayeg.

Com dívidas de R$ 1 bilhão, a LBR pediu recuperação judicial em fevereiro deste ano. Em junho, iniciou negociações com a gigante Lactalis – dona da Parmalat na Itália -, mas a situação financeira delicada da empresa brasileira e sua situação fiscal também complicada fizeram os franceses interromper as conversas para comprar a companhia.

Quando a Lactalis anunciou a desistência, a LBR disse que o plano de recuperação judicial sempre foi "o curso de ação prioritário da companhia" e que passa por uma reestruturação operacional e financeira, que tem permitido "redução significativa" de custos e despesas, aumento na captação leiteira e nas receitas e resultado operacional positivo.

A avaliação de fontes próximas à LBR é que se o plano alterado for aprovado, a empresa ficará mais atraente para potenciais investidores, já que sua dívida deve ser reduzida.

© 2000 – 2013. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/agro/3289252/bancos-propoem-mudancas-no-plano-da-lbr#ixzz2gTSn44wx

Fonte: Valor | Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *