Banco pagará por sapatos

Em uma decisão inusitada, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) determinou que uma empresa pague em dinheiro o equivalente a cinco pares de sapatos que deveriam ter sido fornecidos a uma ex-faxineira terceirizada. O julgamento da 2ª Turma prevê o desembolso pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul) de R$ 100 por cada ano dos cinco em que ela trabalhou na companhia.

A ex-faxineira ajuizou uma ação na 9ª Vara do Trabalho de Porto Alegre contra o Banrisul e a empresa pela qual foi contratada diretamente, a Proservice Portaria e Serviços. A última, entretanto, nunca compareceu às audiências e o banco foi condenado subsidiariamente.

Segundo o advogado que defendeu a faxineira, Paulo Francisco Zelanis da Silva, do Zelanis Advogados, a funcionária trabalhou no Banrisul de 2004 a 2009. Ela foi demitida quando a instituição rescindiu o contrato com a Proservice. Além do valor dos sapatos, requereu na ação o pagamento das verbas rescisórias.

No processo, Zelanis defendeu que os germes aos quais os faxineiros estão expostos passam pelos sapatos normais, e esses trabalhadores necessitam de botas adequadas à atividade. A Corte acolheu o argumento, mas não reconheceu que os profissionais devam receber adicional de insalubridade.

O Banrisul afirmou por nota que "atua em consonância com suas responsabilidades para com os agentes terceirizados, adotando medidas preventivas e combatendo atuações de irregularidade". A Proservice não foi localizada para comentar o caso.

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/brasil/2794734/banco-pagara-por-sapatos#ixzz245jocfNc

Fonte: Valor | Por Bárbara Mengardo | De São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *