Bancada ruralista na Câmara reage ao lançamento da campanha “Exterminadores do Futuro”

A bancada ruralista na Câmara reagiu ontem ao lançamento da campanha “Exterminadores do Futuro”, criada pelos ambientalistas identificar os principais líderes do movimento de alteração das leis ambientais do país na tentativa de retardar a tramitação de propostas de mudança no Código Florestal Brasileiro.

A Frente Parlamentar Nacionalista, composta em sua maioria por ruralistas, ameaçou iniciar um boicote a produtos de empresas patrocinadoras de ONGs ambientalistas. “Se querem nos intimidar, estamos para aqui reagir. Se não sabem dialogar, certamente o Bradesco saberá”, disse o coordenador do movimento suprapartidário, o deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP). Relator da comissão especial de reforma do Código buying drugs online without prescription Florestal, ele sugere que a pressão comece pelos produtores rurais. “As cooperativas podem sugerir aos seus produtores que fechem suas contas no Bradesco”, afirmou, em referência à parceria mantida pelo banco e a Fundação SOS Mata Atlântica, a ONG que lidera a campanha para identificar os “exterminadores” ruralistas.

No mesmo tom usado pelas ONGs para constranger os ruralistas, a nova Frente Nacionalista lançou o “Prêmio Joaquim Silvério dos Reis”, sugerindo uma ligação entre o delator cialis pill identifier do movimento patriótico Inconfidência Mineira e as motivações políticas de ONGs ambientalistas que atuariam em favor de interesses estrangeiros. “Vamos dar essa medalha a quem tiver interesse em prejudicar o Brasil”, disse Rebelo. “Quem patrocina essas ONGs são a Volkswagen, a Coca Cola, a Colgate-Palmolive, estimuladas pelos chiques e famosos de São Paulo”. O deputado Sarney Filho (PV-MA) foi apontado como principal articulador parlamentar do movimento. Procurado pela reportagem, ele não foi localizado ontem.

Os ruralistas acusam uma tentativa de intimidação por parte dos ambientalistas às vésperas das eleições de outubro. “É uma campanha difamatória, claramente intimidatória”, disse o deputado Moacir Micheletto (PMDB-PR), presidente da comissão especial do Código.

Parceira do Bradesco na emissão de 200 mil cartões de crédito e 2 milhões de títulos de capitalização, a SOS Mata Atlântica afirma que os parlamentares estão “trilhando um caminho perigoso” ao tentar rotular as ONGs como inimigas do setor rural. “Estão apelando, é um caminho perigoso porque tem deputados patrocinados pelas empresas do Klabin”, afirmou o diretor de Políticas Públicas, Mario Mantovani, em alusão ao grupo produtor de papel, celulose e embalagens do presidente da organização, Roberto Klabin. “Sabíamos que era um ano eleitoral e que viria a reação. O Bradesco é um parceirão de 20 anos, mas não temos patrocínio deles. Trabalhamos com direitos difusos e eles com interesses específicos”.

Os ambientalistas afirmam que a reação dos ruralistas é “desproposital, descabida” porque a lista dos parlamentares ainda não está concluída. “Não queremos encrenca nem briga. Não tem lista, foi só uma indicação. Eles ainda serão informados antes do fim do processo. Não somos irresponsáveis”, disse Mantovani. “É uma reação muito maior do que a nossa ação, desproposital, descabida. Essa campanha pode ser um fiasco, está mais na mão deles”.

O diretor da SOS Mata Atlântica afirmou que os deputados ruralistas romperam acordos firmados antes do início da tramitação da proposta de um novo Código Florestal. ” Quem rompeu os debates foi uma parte dos ruralistas. Por isso, deixamos de ir a debates. Não vamos legitimar isso”, afirmou Mantovani. O diálogo ficou insustentável, segundo ele, porque o projeto do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), que prevê a criação do Código Ambiental, acabaria com as principais regras e instituições ambientais do país. “O Colatto quer acabar com o Conama, o Sisnama e as unidades de conservação”, disse Mario Mantovani, em referência ao colegiado de representação paritária e o sistema nacional que decide as regras ambientais brasileiras.

Fonte: Valor Econômico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *