Auditores avaliam retirada da vacina contra a aftosa no RS

Mapa vai fiscalizar cumprimento dos 18 itens apontados na auditoria

A Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) já tem data definida para receber auditores do Ministério da Agricultura (Mapa): dias 4 e 5 de agosto. Neste período, o ministério deverá avaliar o cumprimento dos 18 apontamentos levantados durante a auditoria realizada no ano passado para que o Rio Grande do Sul consiga o status de zona livre de febre aftosa sem vacinação. As principais ações realizadas nos últimos meses para a conquista da retirada da vacinação foram apresentadas pelo secretário Covatti Filho durante reunião virtual da Comissão de Agricultura da Assembleia Legislativa, realizada nesta segunda-feira (27).

"Das 18 recomendações do ministério, faltam atender apenas duas, que já estão em fase final de cumprimento. A montadora vencedora da licitação de 72 veículos para o Estado já está enviando o cronograma de entrega, e o pregão para contratação de 150 auxiliares administrativos deve começar a receber propostas a partir de 4 de agosto.

Então, mesmo que a auditoria acontecesse hoje, seríamos bem avaliados porque o ministério vai comprovar que o governo estadual fez todos os movimentos necessários para a conquista da retirada da vacinação contra a aftosa", detalhou o secretário Covatti Filho.

O auditor Gilson Renato Evangelista de Souza contou que, no início de julho, foi realizada uma pré-avaliação do ministério na secretaria. "Verificamos que os 18 itens estão com andamento bastante adequado e em fase final de atendimento.

A auditoria de agosto vai averiguar o andamento das metas da secretaria, considerando o pleito para evolução de status sanitário junto à Organização Mundial de Saúde Animal, a OIE", completou.

O presidente do Fundesa, Rogério Kerber, ressaltou as vantagens que a retirada da vacinação contra a febre aftosa trará para os produtores rurais do Estado.

"Canadá já começa a sinalizar negociação de carne bovina com o Brasil, e quem sabe o Rio Grande do Sul poderá se sentar à mesa e negociar com este importante mercado e outros mais.

Será uma nova perspectiva para todo o Estado", destacou.

"O status sanitário de zona livre de aftosa sem vacinação é um passo superimportante, um degrau fundamental para o desenvolvimento do Estado.

Depois, será necessário manter vigilância ativa para que se avance com segurança", afirmou o presidente da Assembleia Legislativa, que criou a Frente Parlamentar em Apoio à Evolução do Status Sanitário Animal do Rio Grande do Sul.

Fonte: Jornal do Comércio