Audiência Pública – Famato participa de debate sobre a Reforma Tributária de Mato Grosso

Ascom Famato

A equipe técnica da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) participou terça-feira (29/11) da audiência pública para debater o Projeto de Reforma Tributária do Estado de Mato Grosso na Assembleia Legislativa. A Federação é contra qualquer aumento na carga tributária que possa onerar ainda mais a atividade agropecuária em Mato Grosso.

“Importante destacar que caso haja aumento de tributação para as indústrias que adquirem os produtos primários, esse valor certamente será descontado do produtor rural, uma vez que a atividade agropecuária é tomadora de preços e não formadora. Isso impactará diretamente na rentabilidade do negócio”, exemplificou o gestor técnico da Famato, Guto Zanata.

No caso do gado em pé (gado vivo), que é comercializado e enviado para outros estados, a alíquota atual de ICMS é de 7%. Se essa alíquota subir para 12%, a comercialização para fora do estado ficará inviável. Isso criará reserva de mercados. No caso do boi para abate ocorrerá uma pressão de redução de preço em função do aumento de oferta desses animais dentro de Mato Grosso. “No município de Rondolândia, por exemplo, toda comercialização do boi para abate é feita com o Estado de Rondônia devido às péssimas condições de estrada e distâncias dos frigoríficos mato-grossenses. Este município sofrerá um impacto muito grande, caso isso ocorra”, acrescentou Zanata.

Embora a audiência pública tenha sido para debater a minuta do projeto, o presidente da Assembleia Legislativa Guilherme Maluf informou que foram avaliados, incialmente, apenas os princípios básicos da reforma. Vale destacar que o setor produtivo ainda não tem conhecimento se as sugestões de mudanças levadas para o governo foram acatadas ou não, haja vista que o Governo do Estado ainda não deu entrada do Projeto de Lei final na Assembleia Legislativa. “Agora temos que discutir alíquotas, vamos ouvir os empresários e, se for necessário, faremos nova audiência e depois faremos a votação”, afirmou Maluf.

Para Maluf, o aumento de alíquota para alguns setores é necessário para haver equidade e isonomia, conforme está sendo proposta na minuta apresentada pelo Executivo. “Eu acredito que o aumento em alguns segmentos deve acontecer sim, até porque ao longo desses anos foram construídas ilhas de segmentos que contribuíram menos que os demais e isso precisa ser corrigido. O Estado tem que rever esses benefícios”, opinou o deputado.

Segundo o governo, a  minuta do projeto da Reforma Tributária tem o objetivo de reformular a legislação do ICMS de Mato Grosso para adequá-lo às regras previstas na legislação nacional e estabelecer uma lei única que constitua um modelo tributário simples, isonômico, neutro, transparente e arrecadador.

A Famato, entidade de classe que representa 90 Sindicatos Rurais de Mato Grosso, desenvolve ações institucionais que garantem que a voz do produtor rural seja ouvida em diferentes instâncias. Lidera o Sistema Famato, composto pela Famato, Senar-MT, Sindicatos Rurais e o Imea. Quer saber mais sobre nossas ações? Acompanhe nossas redes sociais pelo www.facebook.com/sistemafamato e @sistemafamato (instagram e twitter) #OrgulhodeSerAgro #SistemaFamato #Famato.

Fonte: Ascom Famato

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *