‘As florestas estão em seriíssimo risco’

Ambientalista recebe hoje da ONU o título de "herói da floresta" na América Latina por sua luta pela defesa da Amazônia

Paulo Adario, diretor da Campanha Amazônia do Greenpeace, recebe hoje, da ONU, o título de "herói da floresta". A premiação, que consagra também outras quatro pessoas de África, América do Norte, Ásia e Europa, é concedida pela primeira vez e encerra o Ano Internacional das Florestas.

O juri também concedeu um prêmio especial ao casal José Claudio Ribeiro e Maria do Espírito Santo, assassinado em maio passado no Pará. Eles eram líderes de um assentamento extrativista e combatiam a ação de madeireiros ilegais.

Um dos principais nomes por trás da campanha que pede desmatamento zero no Brasil, Adario atuou na proteção internacional do mogno. A seguir, ele fala da importância do prêmio.

? Como é ser considerado um herói da floresta? É complicado, ainda mais em uma região que tem tanta gente lutando e morrendo pela defesa da floresta. Na verdade, há heróis da floresta espalhados pela Amazônia inteira. Mas evidentemente é uma honra ser premiado pelo trabalho que venho realizando nos últimos 15 anos.

Um trabalho que não é só meu, mas do Greenpeace, de muitas ONGs que são nossas parceiras.

É uma coisa que eu compartilho com uma porção de gente.

Quando soube que estava entre os finalistas, achei até pouco provável que eu fosse escolhido.

Eu pensava: "A ONU vai dar um prêmio para um criador de caso como eu?". E foi muito legal.

? Que mensagem o senhor acha que a ONU está passando? Apesar de ser um título embaraçoso, isso de ser herói contém uma coisa muito positiva. O fato de precisar de heróis é um reconhecimento por parte da ONU de que as florestas estão em seriíssimo risco . E funciona como um estímulo para as pessoas lutarem pelas florestas.

? Qual impacto esse título pode ter para a luta contra o desmatamento e neste momento de mudança do Código Florestal? Nos últimos anos, o Brasil deu um exemplo: derrubou o desmatamento, mas a produção de GRÃOS, de carne e a exportação do agronegócio não caíram. O cenário é positivo. Mas o momento atual é de decisão: continuar seguindo para o futuro ou dar um passo para trás. E o governo tem dado indicações de que vai escolher o caminho errado.

Se a presidente Dilma (Rousseff) anunciar um veto à mudança na boca da Rio+20, vai dar um sinal muito claro de que o Brasil pode ser um país rico, sem destruir floresta. Acho que o prêmio engrossa a minha voz.

Mas, para ser ouvido, as pessoas precisam abrir os ouvidos

QUEM É

Formado em Jornalismo pela USP, chegou a flertar com o cinema, ao fazer um filme sobre a queda da ditadura na Nicarágua.

Hoje com 63 anos, Adario ingressou para valer no ambientalismo na Rio-92.

Fonte: O ESTADO DE S. PAULO – SP  | Giovana Girardi

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.