ARROZ – Incerteza sobre safra eleva expectativa de alta de preços do arroz

Atento às condições de lavoura, produtor restringe atuação no mercado, condicionando negócios à necessidade de caixa

agricultura_arroz_arrozal (Foto: Manoel Marques / Editora Globo)

Referência do Cepea para o arroz, com base no Rio Grande do Sul, teve alta de 1% entre os dias 19 e 26 de janeiro (Foto: Manoel Marques / Editora Globo)

Incertezas em relação à safra nova de arroz reforçam a expectativa de alta nos preços do produto nas próximas semanas, mesmo com a proximidade do início da colheita. Foi o que informou, nesta quarta-feira (27/1), o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea).

Em nota, os pesquisadores da instituição informam que os produtores mantêm as atenções àsituação das lavouras, indo pouco ao mercado. Os negócios, de um modo geral, ficam restritos soa orizicultores que ainda têm necessidade de fazer caixa.

saiba mais

“Com esse cenário e diante da baixa oferta de arroz em casca no Rio Grande do Sul, indústrias pagaram valores mais altos pelo produto depositado e também pelo “livre” (armazenado nas propriedades rurais) para repor seus estoques”, informa o Cepea.

De 19 a 26 de janeiro, o indicador de referência para a cultura, com base no estado do Rio Grande do Sul, principal produtor nacional, teve alta de 1%, fechando a R$ 41,93 a saca de 50 quilos na terça-feira (26/1).

De acordo com técnicos da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), a safra gaúcha de arroz está com o desenvolvimento mais lento em relação ao ano passado e considera a possibilidade de atraso na colheita do produto. Até a última quinta-feira (21/1), apenas 5% das lavouras estavam em fase enchimento de grãos. A média dos últimos cinco anos é de 35%.

O manejo da cultura foi dificultado pelo excesso de chuvas e alterações bruscas de temperatura. Apesar disso, os técnicos consieram que a maior parte das áreas se encontra em recuperação e devem produtividade considerada pelo menos satisfatória.

POR REDAÇÃO GLOBO RURAL

Fonte : Globo Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *