Apesar do clima irregular, produtividade da safra de soja cresce

A despeito do clima irregular que marcou a atual safra de soja (2015/16), a produtividade média do grão no país será maior nesta temporada e ajudará a ampliar a colheita para 101,7 milhões de toneladas, 5% mais que em 2014/15, conforme estimativas divulgadas ontem pela Agroconsult. De acordo com a Conab, serão 101,2 milhões.

Segundo a Agroconsult, o rendimento por hectare subirá de 50,5 sacas de 60 quilos, em 2014/15, para 51. Mas esse avanço "esconde" resultados muito bons e problemas graves, realçou André Pessôa, sócio-diretor da consultoria. "Temos uma safra ‘sui generis’. Poucas vezes vimos um comportamento do clima tão errático. Por isso, a média nacional deve ser tomada com precaução", afirmou Pessôa em evento de apresentação dos dados recolhidos pelo Rally da Safra, expedição técnica realizada há 13 anos pela consultoria e que nos últimos meses percorreu cerca de 70 mil quilômetros e coletou 892 amostras de lavouras de soja espalhadas por todo o país.

Em Mato Grosso, que lidera a produção nacional de soja e onde a colheita está na reta final, as chuvas mal distribuídas, principalmente no médio-norte do Estado, empurraram para baixo a produtividade, de 53 para 52 sacas por hectare, nas contas da Agroconsult. No Paraná, vice-líder na produção, que sofreu com o excesso de dias nublados e a pressão da ferrugem, a expectativa é de uma retração para 53,6 sacas por hectare, ante 54,9 sacas em 2014/15.

Os destaques mais negativos, entretanto, estão no "Matopiba" (confluência entre os Estados de Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia). As chuvas em dezembro, e mais intensamente em janeiro, chegaram a sugerir uma grande safra, mas a estiagem em fevereiro tratou de "mandar a esperança embora", de acordo com Pessôa. A queda média de produtividade deve ficar próxima de 20%: na Bahia, maior produtor da região, a estimativa da Agroconsult é de uma baixa de 49 para 39,5 sacas por hectare. No Maranhão e no Piauí, a 37 sacas, e em Tocantins, 40 sacas.

Na ponta mais otimista figuram Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Goiás, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul – este último, apesar do elevado volume de chuvas, deve contabilizar 53,9 sacas por hectare, ante 52 sacas em 2014/15. "Goiás também teve um clima quase perfeito e se recuperou dos dois últimos anos de seca, com uma produtividade que deve chegar a 53,1 sacas, 10 acima da safra passada", disse Pessôa. Os produtores gaúchos, pela primeira vez na história, também devem ter rendimento acima de 50 sacas.

Mais sobre preços em Commodities Agrícolas

valor.com.br

Confira outras informações sobre as estimativas da Agroconsult em www.valor.com.br/u/4484952

Por Mariana Caetano | De São Paulo

Fonte : Valor

Compartilhe!