Apenas 17% das cidades do Brasil realizam ações acertadas na Eco92

Apenas 17% dos 5.565 municípios brasileiros possuem ações ligadas à Agenda 21, documento resultante da Eco92, conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) realizada há 20 anos. São 978 cidades cujas populações somadas representam 41,2% do total de brasileiros, segundo dados atualizados em 2009 e divulgados nesta segunda-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os dados fazem parte dos Indicadores de Desenvolvimento Sustentável 2012 (IDS) e mostram ainda que diminuiu a parcela da população que vive em cidades com ações de desenvolvimento sustentável acertadas em 1992. Em 2002, 50,6% da população brasileira morava em municípios que possuíam iniciativas da Agenda 21.

Na avaliação do IBGE, isso mostra que muitas das iniciativas tomadas não foram à frente especialmente pela dependência de recursos financeiros. Um exemplo claro disso é o programa Farol de Desenvolvimento, do Banco do Nordeste, que fomentava algumas dessas atividades e foi encerrado.

"Muitas dessas ações são vulneráveis a mudanças e alterações externas. O ideal é que não fiquem tão dependentes", comenta a coordenadora técnica e de planejamento da pesquisa, Denise Kronemberger.

Rio+20
Vinte anos após a Eco92, o Rio de Janeiro volta a receber governantes e sociedade civil de diversos países para discutir planos e ações para o futuro do planeta. A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, que ocorre até o dia 22 de junho na cidade, deverá contribuir para a definição de uma agenda comum sobre o meio ambiente nas próximas décadas, com foco principal na economia verde e na erradicação da pobreza.

Composta por três momentos, a Rio+20 vai até o dia 15 com foco principal na discussão entre representantes governamentais sobre os documentos que posteriormente serão convencionados na Conferência. A partir do dia 16 e até 19 de junho, serão programados eventos com a sociedade civil. Já de 20 a 22 ocorrerá o Segmento de Alto Nível, para o qual é esperada a presença de diversos chefes de Estado e de governo dos países-membros das Nações Unidas.

Apesar dos esforços do secretário-geral da ONU Ban Ki-moon, vários líderes mundiais não estarão presentes, como o presidente americano Barack Obama, a chanceler alemã Angela Merkel e o primeiro ministro britânico David Cameron. Ainda assim, o governo brasileiro aposta em uma agenda fortalecida após o encontro.

Fonte: Terra CIRILO JUNIOR Direto do Rio de Janeiro