Ambientalistas propõem lei para conter devastação do bioma do Cerrado

Fonte:  Ruralbr

Parlamentares ambientalistas pretendem propor legislação para que haja um marco regulatório em relação às atividades de exploração econômica da região

Representantes do Ministério do Meio Ambiente (MMA), da Frente Parlamentar Ambientalista, associações de meio ambiente e ONGs ambientais defenderam nessa quarta, dia 14, durante encontro na Câmara dos Deputados, em Brasília, a criação de uma lei específica para o Cerrado, em caráter emergencial, para conter a devastação do segundo maior bioma do país.

Os parlamentares ambientalistas pretendem propor uma legislação nos mesmos moldes da Lei da Mata Atlântica, para que haja um marco regulatório em relação às atividades de exploração econômica no Cerrado. A região, chamada de savana brasileira, tem se destacado por apresentar atualmente a maior produção de grãos do Brasil.

As queimadas, desmatamento, mineração, exploração carvoeira, agricultura ostensiva e irrigação indevidas ameaçam as bacias hidrográficas do Cerrado, considerado berço das águas, alertou a Frente Parlamentar.

De acordo com o coordenador da Frente Parlamentar Ambientalista, deputado Sarney Filho (PV-MA), a contradição do processo está no fato de que o bioma é encarado por muitos apenas como fronteira de expansão agrícola, mas a produção de água desse ecossistema, que abrange pelo menos três das principais bacias brasileiras, já é avaliada em estado crítico.

Estiveram presentes no encontro o representante do MMA, secretário de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável, Roberto Vizentin; o diretor da SOS Mata Atlântica, Mário Mantovani; e o deputado distrital Joe Valle (PSB-DF).

Também participaram do evento integrantes do Programa Colmeia, localizado em Barreiras (BA), que integra treze projetos de geração de rendas em comunidades tradicionais. A organização apresentou produtos elaborados a partir de matérias-primas típicas do Cerrado, como capim-dourado, palha-de-coco, algodão e sementes.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *