Alternativa de renda

A produção de leite é hoje uma das principais fontes de renda na pequena e na média propriedade rural no Rio Grande do Sul, o segundo maior produtor de lácteos do país. Dos 496 municípios gaúchos, 91% produzem leite. São 121 mil criadores envolvidos com essa atividade. Grandes indústrias perceberam a qualidade da mão de obra gaúcha e se instalaram aqui nos últimos anos. A atividade renasceu em bases mais profissionais. O leite vive um boom como não se via há muito tempo. Mas a produtividade média por vaca ao ano ainda é baixa no Estado 2,3 mil litros se comparada aos 4 mil litros por animal ao ano no Uruguai ou aos 7 mil na Europa (mesmo sendo superior à média brasileira, de1,3 mil). Há pouco espaço para expansão da fronteira agrícola gaúcha. Mas, no caso do leite, os produtores ainda podem aumentar e muito a produtividade média por vaca. O que hoje ainda é um problema pode se tornar uma grande oportunidade de melhoria da renda agrícola. Investimentos em genética e tecnologia, no entanto, serão decisivos para isso.

Fonte: Zero Hora | OLHAR DO CAMPO | Irineu Guarnier Filho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *