Agropalma aposta no mercado de gorduras

Ana Paula Paiva/Valor
Marcello Brito, diretor da Agropalma: uso de matérias-primas com certificação é uma tendência no mercado de alimentos

A Agropalma, maior produtora de óleo de palma (dendê) do país, começa esta semana a colocar no mercado brasileiro sua primeira linha de gorduras vegetais com certificação de sustentabilidade da produção. O produto será destinado a frituras do segmento "food service", e é o primeiro de um portfólio de gorduras que a companhia do Pará pretende lançar nos próximos anos.

Com faturamento de R$ 670 milhões em 2012 e uma produção de 320 toneladas de óleos por dia, a Agropalma decidiu explorar o mercado premium de matérias-primas certificadas, que começa a despontar no país. "As coisas demoram a chegar no Brasil, mas chegam", afirma Marcello Brito, diretor comercial da empresa, controlada pelo Grupo Alfa, do ex-banqueiro Aloysio Faria.

Segundo Brito, neste primeiro momento serão produzidas 6 mil toneladas de gordura vegetal por ano na refinaria da empresa em Tailândia, no Pará. Mas a ideia é expandir a produção com a nova unidade que está sendo construída em Limeira (SP), de forma a atender a região Sudeste, o maior mercado consumidor do país. A expectativa é que a refinaria paulista comece a operar no início de 2015, com capacidade de produção de cerca de 450 toneladas por dia de óleos ou gorduras.

"Hoje, em função das distâncias e do consequente custo, a empresa não consegue atender o Sul do país e o Mercosul, devido à baixa frequência de rotas de navios nos portos do norte do Brasil", diz Brito. "Por isso, por enquanto vamos aproveitaremos o nosso canal de distribuição para o Sudeste para escoar o produto".

A construção da planta em Limeira faz parte de um pacote de investimentos de R$ 300 milhões da Agropalma para a consolidação da cultura da palma no Brasil.

O diferencial da companhia, diz o executivo, ainda são as certificações. Além do selo RSPO, de palma sustentável, a nova gordura vegetal, que será vendida sob a marca Doratta Fry, levará na embalagem o "Fritura Limpa", que garante a ausência de solventes e químicos no processo fabril.

Segundo Brito, para cada tonelada de óleo bruto certificado paga-se, hoje, um prêmio de US$ 25 no mercado internacional – metade da produção da empresa vai para a Europa. No caso dos óleos refinados, que incluem as gorduras vegetais, a tonelada sai por US$ 50 a mais.

No Brasil, as empresas de alimentos começam a exigir certificações de sustentabilidade de seus fornecedores, a fim de ter toda cadeia produtiva rastreada. E é esse movimento que a Agropalma quer aproveitar. "Temos um cliente que faz chocolates só com matéria-prima certificada. Vemos uma tendência de outras empresas a fazer o mesmo".

Para os próximos anos, a companhia quer ampliar a "família" de gorduras para as área de panificação, sorvetes e coberturas, entre outras. "Estamos estudando as opções. Devemos começar a atender o mercado de panificação no primeiro trimestre de 2014".

Desde 2005, o óleo de palma superou o de soja como o óleo vegetal mais comercializado no mundo. Usado sobretudo em alimentos e cosméticos e tradicional na Ásia, o óleo de palma representou quase 30% de todos os óleos vegetais comercializados em 2012.

No segmento de gorduras vegetais, a Agropalma irá disputar um mercado potencial estimado de 100 mil toneladas por ano. Hoje, grandes grupos, como Cargill e Bunge, atuam no setor. Procuradas, as empresas não quiseram revelar detalhes sobre o negócio.

© 2000 – 2013. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/agro/3240790/agropalma-aposta-no-mercado-de-gorduras#ixzz2cbd61wyT

Fonte: Valor | Por Bettina Barros | De São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *