AGRONEGÓCIOS – JC e Fapergs entregam troféu O Futuro da Terra

Autoridades e representantes de entidades do agronegócio prestigiaram a cerimônia em sua 23ª edição

Autoridades e representantes de entidades do agronegócio prestigiaram a cerimônia em sua 23ª edição

MARCELO G. RIBEIRO/JC

Importantes projetos de inovação, empreendedorismo e sustentabilidade no agronegócio gaúcho foram reconhecidos na noite desta segunda-feira (26) com o Prêmio O Futuro da Terra. Em sua 23ª edição, a premiação, promovida pelo Jornal do Comércio em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (Fapergs) destacou oito profissionais (entre pesquisadores, técnicos e empreendedores) de diferentes instituições em cerimônia no auditório da Federação da Agricultura do Estado (Farsul), no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, durante a 42ª Expointer.

O diretor-presidente do JC, Mércio Tumelero, afirmou que o O Futuro da Terra marca o respeito aos homens e mulheres, pesquisadores e técnicos, que trabalham para a manutenção e o crescimento das cadeias produtivas gaúchas. Segundo Tumelero, a honraria destaca trabalhos de pesquisadores gaúchos "pela representatividade e relevância na melhoria das técnicas utilizadas no campo pelos produtores rurais".

Tumelero lembrou que os trabalhos premiados auxiliam em um fator decisivo para o agronegócio: o aumento da produtividade. "Nos últimos 20 anos, a área plantada brasileira cresceu 39%, enquanto a produtividade por sua vez cresceu 141%. Esses avanços, é claro, devem sempre estar aliados ao respeito ao meio ambiente", afirmou. O diretor-presidente do JC também destacou que, em 2018, as exportações do agronegócio brasileiro atingiram o valor recorde de US$ 101 bilhões. Só o Rio Grande do Sul exportou US$ 12 bilhões do total das vendas externas brasileiras no ano passado.

Além disso, o diretor-presidente do JC destacou que, nesta edição, O Futuro da Terra instituiu, pela primeira vez, o reconhecimento ao trabalho de startups do agronegócio. "São empresas jovens que estão agregando muito em tecnologia. E representam dois valores importantes, que o Jornal do Comércio sempre buscou divulgar: o empreendedorismo e a inovação", lembrou Tumelero.

O governador Eduardo Leite afirmou que são os pesquisadores que geram a inovação e lembram que o melhor do Rio Grande do Sul é seu povo. "Temos riquezas naturais e alavancas de desenvolvimento. Mas, sem a vocação empreendedora de nossa gente, não ocuparíamos esse protagonismo nacional", destacou. Leite declarou que as pesquisas premiadas desenvolvem novas ferramentas que produzem menos impacto ambiental e, ao mesmo tempo, aumentam a produtividade. "Em um tempo em que se fala muito em meio ambiente, eles nos mostram que podemos conciliar proteção e produção, redução de custos e permitir competividade."

O diretor-presidente da Fapergs, Odir Antônio Dellagostin, lembrou que o Rio Grande do Sul se destaca como polo gerador de conhecimento do País, e que as pesquisas desenvolvidas no Estado são de alta qualidade, contribuindo para desenvolvimento econômico gaúcho e brasileiro. "Com 5,5% da população nacional, e respondendo por 6% do PIB do País, temos 9% dos doutores e produzimos mais de 11% dos artigos científicos brasileiros", destacou. Dellagostin afirmou que as três startups premiadas são uma amostra da transformação de conhecimento em riqueza, uma vez que nasceram em universidades.

O presidente da Farsul, Gedeão Pereira, destacou que os agricultores gaúchos contribuíram fortemente para o desenvolvimento nacional. "Se há 40 anos atrás vivíamos insegurança alimentar e importávamos carne da Europa, hoje temos um setor agrícola com crescimento substancial", afirmou. Gedeão também afirmou que, sem a produção agrícola brasileira, milhões de pessoas estariam morrendo de fome no mundo.

Criticando os ataques que o setor do agronegócio sofreu por causa da polêmica internacional em torno das queimadas da Amazônia, o dirigente da Farsul afirmou que os produtores brasileiros não compactuam com a ilegalidade. "Acredito sim em uma guerra comercial. Essa é uma luta ideológica, e não ambiental. Nós somos soberanos, e temos que cuidar do que é nosso."

Já o presidente da Assembleia Legislativa, Luis Augusto Lara, afirmou a premiação tem um caráter estratégico, que faz um reconhecimento de pautas que beneficiam o Estado como um todo. "Sofremos concorrência externa, mas internamente existe um consenso na população gaúcha em apoiar esse tipo de pauta. Queremos avançar, e por isso vamos sair da crise."

O evento também contou com a presença do vice-governador Ranolfo Vieira Junior; do senador Luis Carlos Heinze; do prefeito de Esteio, Leonardo Pascoal; do secretário estadual da Agricultura, Covatti Filho; do secretário chefe da Casa Civil do governo do Estado, Otomar Vivian; do diretor regional do Bradesco, Joel Queiroz de Lima; do presidente da Febrac, Leonardo Lamachia, e outras autoridades políticas e empresariais.

Lista de Homenageados

PRÊMIO ESPECIAL

STARTUP DO AGRONEGÓCIO

CADEIAS DE PRODUÇÃO E ALTERNATIVAS AGRÍCOLAS

INOVAÇÃO E TECNOLOGIA RURAL

PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

Escolha dos agraciados passa por critério técnico

A priorização do critério técnico na escolha dos vencedores do O Futuro da Terra é fator essencial da premiação. Assim, os agraciados passam pelo crivo do Comitê Especial, formado por integrantes do Comitê de Assessoramento Científico e Tecnológico da Área de Ciências Agrárias da Fapergs, que identifica as melhores pesquisas direcionadas para melhorar o desempenho do agronegócio gaúcho, levando em conta práticas eficientes e sustentáveis.

Fonte : Jornal do Comércio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *