AGRONEGÓCIOS – Feira vende produtos da agricultura familiar até sexta em Porto Alegre

Variedade vai de produtos alimentícios a bebidas artesanais e poderá ser conferida até sexta-feira

Variedade vai de produtos alimentícios a bebidas artesanais e poderá ser conferida até sexta-feira

MARCELO G. RIBEIRO/JC

Lívia Rossa

Quem gosta de produtos coloniais comprados diretamente dos produtores pode aparecer no Largo Glênio Peres, ao lado do Mercado Público no Cento Histórico de Porto Alegre. A região é palco da Feira da Agricultura Familiar, que é uma tentação pela variedade de itens. A feira começou nesta terça-feira (11) e vai até sexta-feira (14), organizada pela Secretaria Especial da Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead).

São 80 expositores que venderão seus produtos das 8h e às 19h. Logo na entrada, os visitantes são recepcionados por estandes com produtos artesanais, como panos de prato, cuias, louças, artigos em couro, origamis e pequenas esculturas. Já as bancas do fundo são as de alimentos, com mel, geleias, barras de cereais, linguiças, cucas, molhos, sucos, ovos, cogumelos, queijos, rapaduras, doces em conversa e até bebidas alcoólicas.

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2018/12/11/206x137/1_mgr111218feira_agricultura034-8565642.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c0fd5f506db4', 'cd_midia':8565642, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2018/12/11/mgr111218feira_agricultura034-8565642.jpg', 'ds_midia': 'Reportagem vai a Feira da agricultura familiar, realizada no Largo Glenio Peres   na foto: Paulo Melos da Silva, pequeno agricultor', 'ds_midia_credi': 'MARCELO G. RIBEIRO/JC', 'ds_midia_titlo': 'Reportagem vai a Feira da agricultura familiar, realizada no Largo Glenio Peres   na foto: Paulo Melos da Silva, pequeno agricultor', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}

Silva saiu de Caxias do Sul na madrugada para montar a banca. Fotos: Marcelo G. Ribeiro/JC

O produtor Paulo Melos da Silva, de 46 anos, começou a organização da banca às 4h desta terça vindo de Caxias do Sul, na serra gaúcha. Silva vende linguiças e é proprietário da Agroindústria Santa Bárbara, localizada na BR-116. O agricultor diz que a preparação para a feira iniciou uma semana antes do evento. Em sua equipe, estão dois familiares e mais três contratados.

O salame é o carro chefe e os valores variam de R$ 30,00 a R$ 42,00 o quilo. Há também as variações salame colonial, salame milano magro, copa magra e copa com gordura. Entre as feiras, Silva sempre participa da Expointer, Festa da Uva, Expobento, Expodireto, Feira de Torres e até em outros estados, como a Expominas. A expectativa do produtor para este ano é positiva. "Aqui o lugar é bom e tem bastante público, além do evento ter sido bem divulgado", afirmou ele.

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2018/12/11/206x137/1_mgr111218feira_agricultura079-8565648.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c0fd5f506db4', 'cd_midia':8565648, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2018/12/11/mgr111218feira_agricultura079-8565648.jpg', 'ds_midia': 'Reportagem vai a Feira da agricultura familiar, realizada no Largo Glenio Peres   na foto: Marcia Raimundi, pequeno agricultor', 'ds_midia_credi': 'MARCELO G. RIBEIRO/JC', 'ds_midia_titlo': 'Reportagem vai a Feira da agricultura familiar, realizada no Largo Glenio Peres   na foto: Marcia Raimundi, pequeno agricultor', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}

Márcia é de Barão e diz que abacaxi e figo cristalizados são os mais procurados.

Uma das bancas mais movimentadas era a da Negrello Agroindústria, de doces de fruta e frutas cristalizadas, da proprietária Márcia Raimundi, de 50 anos. Ela vem de Barão, próximo a Carlos Barbosa, e o negócio é tocado pro Márcia e o marido. De acordo com a agricultora, a produção se iniciou em 1999 no porão da mãe do marido. A agroindústria foi montada em 2000.

Entre os produtos, os que mais saem são abacaxi e figo cristalizado e figada com nozes. A dona vende "praticamente só em feiras" e aposta em bons negócios na Capital. "Melhor impossível, não precisa nem falar nada", garantiu Márcia.

Para o assessor de política agrícola da Federação dos Trabalhadores Na Agricultura no Rio Grande do Sul (Fetag-RS), Jocimar Rabaioli, a relevância da feira está na abertura de novos canais de comercialização. "É mais uma alternativa de mercado para as famílias e de mostrar para o consumidor a diversidade de produtos da agricultura familiar", afirma Rabaioli.

O pós-feira também é importante, diz o assessor da Fetag-RS. A intenção é que o evento entre no calendário de Porto Alegre. O caráter sustentável e familiar deve contribuir para a inclusão. "São produtos que a população vem cada vez mais buscar, pela produção correta, sustentável e agroecológica."

Fonte : Jornal do Comércio

Compartilhe!