AGRONEGÓCIOS – Conab estima queda de 10% na safra gaúcha

Mesmo com ganho de área, a produção agrícola no Rio Grande do Sul em 2017/2018 deve acabar com uma redução de 10% em relação à safra anterior, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Ao todo, a estatal projeta um leve crescimento de 0,2% no terreno plantado, alcançando 8,627 milhões de hectares. Com uma produtividade 10,2% menor, entretanto, a produção total deve contabilizar 31,972 milhões de toneladas, contra 35,5 milhões na temporada passada.

A principal quebra apontada é a do milho, com perda de 20% da produção em relação ao ano anterior. A redução é decorrente de queda de 9,5% em área, para 728,4 mil hectares, e de 11,6% na produtividade, para 6.628 quilos por hectare. Ao todo, a produção gaúcha do cereal deve ser de 4,827 milhões de toneladas. Mesmo com a queda na produtividade, a estimativa foi ajustada para cima em locais na metade Norte, porque as lavouras tardias foram menos afetadas por problemas climáticos do que se esperava. Já na metade Sul, a estiagem empurrou a produtividade para baixo, chegando a 2 mil quilos por hectare em Canguçu.

Outra cultura com perdas é a do arroz, tanto em área (-2,1%, para 1,077 milhão de hectares) quanto em produtividade (-7%, para a 7.375 quilos por hectare). Ao todo, a produção orizícola gaúcha deve parar em 7,947 milhões de toneladas, 9% abaixo da temporada 2016/2017. Segundo a companhia, as temperaturas altas das últimas semanas favoreceram quem plantou fora do período recomendado, o que fez com que a produtividade não caísse significativamente com a proximidade do fim da colheita. A maioria das plantações teve alto rendimento de grãos inteiros, mas com qualidade reduzida.

Já o principal produto do campo gaúcho, a soja, não viu seu território encolher, ao contrário das demais culturas. A área plantada da oleaginosa cresceu 2,2%, chegando a 5,692 milhões de hectares. A produtividade, porém, caiu 11,3%, para 2.981 quilos por hectare, levando a produção a cair 9,3%, para 16,968 milhões de toneladas. A companhia argumenta que a estiagem da metade Sul dividiu a produção gaúcha de soja: na metade Norte, a produtividade nas lavouras chega a ser maior do que a vista no ano passado, que bateu recordes, enquanto a zona Sul convive com o cenário oposto, com quedas superiores a 20% em relação a última safra.

Ainda sem estimar a área plantada para as culturas de inverno, a Conab também prevê uma repetição ou pequena variação dos 699 mil hectares plantados com trigo em 2017. A companhia faz a ressalva, entretanto, de que, como o preço do milho deve se manter alto, pode haver ganho de área do cereal em detrimento do trigo, cujo período recomendado de colheita coincide com a época de plantio do milho. A Conab estima uma produtividade do trigo 2,9% acima da obtida em 2017, chegando a 1.879 quilos por hectare.

{'nm_midia_inter_thumb1':'http://midias.jornaldocomercio.com.br/_midias/jpg/2018/05/10/206x137/1_producao_gaucha_de_graos-1812690.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5af4e355c02ec', 'cd_midia':1812690, 'ds_midia_link': 'http://midias.jornaldocomercio.com.br/_midias/jpg/2018/05/10/producao_gaucha_de_graos-1812690.jpg', 'ds_midia': 'Produção Gaúcha de Grãos', 'ds_midia_credi': 'JC', 'ds_midia_titlo': 'Produção Gaúcha de Grãos', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '334', 'align': 'Left'}

Produção agrícola brasileira alcança recorde histórico e chega a 232 milhões de toneladas

A safra total de grãos e oleaginosas 2017/2018 deve somar 232,6 milhões de toneladas, a segunda maior da história, anunciou, nesta quinta-feira, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A previsão no ranking já havia ocorrido em abril, quando o órgão esperava 229,5 milhões de toneladas.

"Apesar do decréscimo de 2,1% em comparação com a safra passada, que chegou a 237,7 milhões de toneladas, o número é bem elevado em relação à média de produção nacional, em condições atmosféricas normais. Na comparação com a pesquisa do mês de abril, a estimativa total da safra mostra um aumento de 1,3%, ou cerca de 3 milhões de toneladas", informou a Conab.

Os maiores volumes são de soja e do milho total. A soja é responsável pelo bom desempenho produtivo, e o avanço da colheita vem confirmando a boa produtividade. A leguminosa registra 117 milhões de toneladas e o cereal, 89,2 milhões de toneladas. Já o milho segunda safra responde por 70% de sua colheita (62,9 milhões de toneladas), cabendo ao milho primeira safra 26,3 milhões de toneladas.

Na sequência de aumento da produção vem o algodão em pluma, com um volume de 1,9 milhão de toneladas – cerca de 27% a mais que a safra anterior. O feijão segunda safra também registrou bom desempenho, com um aumento de 10,2% e colheita de 1,32 milhão de toneladas. Segundo a Conab, o término do plantio das culturas de segunda safra, a estimativa de área de plantio para o feijão e as culturas de inverno sinalizam crescimento de área, a maior da série histórica, de 61,5 milhões de hectares, com um incremento de 1,1%.

Fonte : Jornal do Comércio