AGRONEGÓCIOS – Chuva causa perda semanal de uma tonelada de arroz

Menor percentual no trabalho de semeadura está nas regiões da Planície Costeira e na Depressão Central

Menor percentual no trabalho de semeadura está nas regiões da Planície Costeira e na Depressão Central

Luiz Eduardo Kochhann

A janela ideal para o plantio do arroz se encerrou no último domingo, mas apenas 54,5% da área estava semeada, até então, no Rio Grande do Sul, segundo dados divulgados pelo Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga). Ou seja, cerca de 590 mil hectares dos pouco mais de 1 milhão de hectares pretendidos estavam cobertos. Trata-se do pior desempenho dos últimos cinco anos. Na safra 2010/2011, a melhor da história, no mesmo período, 94,6% da lavoura estava pronta. Mesmo no ano passado, com problemas similares de excesso de umidade, o percentual era de 71,5%.

Com isso, a estimativa da entidade é de que a produtividade diminua em 20 sacos por hectare – aproximadamente uma tonelada – por semana de atraso. De acordo com o diretor comercial do Irga, Tiago Sarmento Barata, ainda que não se possa falar em quebra, a situação é preocupante. "Projetamos uma safra 10% inferior em quantidade, com menos qualidade e entrando mais tarde no mercado", destaca. Além da falta de agilidade no plantio, segundo Barata, o arroz sofre, em 2015, com a baixa luminosidade, condição essencial para seu desenvolvimento, em função do El Niño, diminuindo ainda mais as margens produtivas. Levando-se em conta a divisão do território proposta pelo Irga, alguma regiões não atingiram nem metade do objetivo.

A Planície Costeira Interna, a Depressão Central e a Planície Costeira Externa plantaram, respectivamente, 39,85%, 37,4% e 35,91%, da área. Na zona Sul, onde os produtores estão aproveitando o clima mais favorável à noite para realizar os trabalhos de campo, foram cultivados mais de 136 mil hectares, ou 78,25% do total. Além disso, outras duas regiões produtoras, a Fronteira-Oeste e a Campanha, têm 63% e 57% do processo finalizado.

Tendo em vista as dificuldades, atendendo a um pedido da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz) baseado em nota técnica do Irga, o Ministério da Agricultura autorizou, recentemente, a ampliação da janela de plantio do calendário oficial para os cultivares do grupo IV. As novas datas variam de acordo com o município, mas, de uma maneira geral, a prorrogação possibilita que os orizicultores mantenham as garantias de cobertura do seguro rural, que poderiam ser perdidas em caso de plantio fora das datas previstas.

O quadro, entretanto, não deve ser melhorar no curto prazo. A previsão meteorológica do Irga para a semana indica grande quantidade de chuvas nas regiões produtoras. Entre terça-feira e quinta-feira, os acumulados devem variar entre 70 e 100 milímetros na Fronteira-Oeste; entre 70 e 100 milímetros na Campanha e na zona Sul; entre 50 e 70 milímetros na Depressão Central; e entre 40 e 60 milímetros nas planícies Costeiras Interna e Externa.

Com a possibilidade de ocorrência de novas enchentes, alerta Barata, além de o plantio não seguir, deve aumentar a incidência de fungos e ervas daninhas nas lavouras implantadas, majorando ainda mais os custos.

CAMILA DOMINGUES/PALÁCIO PIRATINI/JC

Fonte : Jornal do Comércio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *